Comissão da Câmara rejeita derrubar ato do governo sobre compra de munição

Postado em 27 de maio de 2021

A Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados rejeitou um projeto que busca derrubar portaria do governo federal que aumentou de 200 para 500 o limite de munições que podem ser compradas por quem tiver arma de fogo registrada. A regra foi editada em abril do ano passado, mas acabou sendo suspensa na Justiça. Os integrantes da comissão aprovaram o parecer do deputado Delegado Antônio Furtado, contrário ao projeto apresentado por Marcelo Freixo. Segundo o relator, “a portaria do governo representa o cumprimento do compromisso do Poder Executivo com os anseios da sociedade brasileira”. “A segurança pública, além de ser dever do Estado, frise-se, é direito e responsabilidade de todos. O que outorga a cada cidadão o direito de garantir a sua própria segurança. Aí homens e mulheres de bem têm direito, assim querendo, portar arma de fogo para sua proteção, de seus entes queridos e ainda de terceiros”, disse. Ao apresentar o projeto, o deputado federal Marcelo Freixo argumentou que “o governo jamais justificou a real necessidade para um aumento tão amplo no número de munições que podem ser adquiridas por brasileiros”. Mesmo com a decisão, a proposta ainda será analisada pelas comissões de Relações Exteriores, de Defesa Nacional e de Constituição e Justiça.

*Com informações da repórter Letícia Santini

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 27 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *