Dimas Covas contradiz Pazuello e revela oferta da CoronaVac ignorada pelo governo Bolsonaro

Postado em 27 de maio de 2021

Em seu depoimento à CPI da Covid-19, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse que as declarações do presidente Jair Bolsonaro e de integrantes da cúpula do Ministério da Saúde causaram a paralisação das negociações para a aquisição da CoronaVac por três meses. O médico também revelou que a primeira oferta do órgão, feita em 30 de julho, previa a entrega de 60 milhões de doses do imunizante até dezembro de 2020 – o contrato sobre as primeiras 46 milhões de doses só foi assinado no dia 7 de janeiro deste ano. De acordo com Covas, isto daria ao Brasil a possibilidade de ser o primeiro país a iniciar a campanha de imunização contra o coronavírus.

Dimas Covas também contradisse o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, que, em sua oitiva, na semana passada, afirmou que as declarações de Bolsonaro contra o imunizante não tiveram impacto nas negociações do governo federal com o Instituto Butantan. Segundo o diretor do Butantan, ele chegou a ser convidado a participar de um evento, em outubro, no Palácio do Planalto, que lançaria a CoronaVac como a “vacina do Brasil”. “Estava indo tudo bem, Pazuello dizia que esta seria a vacina do Brasil”, disse o diretor. “Até que houve manifestação do presidente da República dizendo que a vacina não seria incorporada ao PNI”, acrescentou. Aos senadores, o depoente também ressaltou que, em dezembro do ano passado, o instituto tinha 5,5 milhões de doses prontas em estoque. “O mundo começou a vacinar em dezembro. O Brasil poderia ter sido o primeiro país a iniciar a vacinação”.

No final da sessão, o senador Jean Paul Prates (PT-RN), líder da minoria no Senado, perguntou a Dimas Covas se o governo federal “atuou para estimular” a produção da CoronaVac. “Não houve estímulo governamental para o seu desenvolvimento”, afirmou. “Essa vacina não teve o apoio na hora em que foi solicitado, o que poderia ter dado velocidade maior ao desenvolvimento [do imunizante] e um quantitativo maior de vacinas disponíveis”, seguiu. Diante das revelações do diretor do Instituto Butantan, parlamentares avaliaram, durante a sessão, que o depoimento é “demolidor”.

Líder da bancada feminina do Senado, Simone Tebet (MDB-MS) afirmou que as informações apresentadas por Dimas Covas à CPI comprovam que houve negligência do governo Bolsonaro na aquisição das vacinas. “Pelas respostas que o senhor já deu, o Butantan não somente está nos salvando contra os males da pandemia, mas demonstra e responde, claramente, às omissões do governo, ao negacionismo do governo”, disse. “O depoimento de Vossa Excelência é demolidor. Quando o Butantan reapresentou a oferta de 100 milhões de doses, nossos parceiros já haviam afirmado compromissos com outros países em relação aos insumos. Não há insumo porque o Butantan alertou: se não contratar, vamos ter problemas na produção das vacinas”, ponderou. O senador Humberto Costa (PT-PE), titular da comissão, seguiu a mesma linha: “[O depoimento] É a prova mais cabal, mais até que o depoimento da Pfizer, da omissão, da indiferença e do desinteresse daqueles que fazem esse governo”, disse.

O petista também elogiou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e criticou o presidente Jair Bolsonaro. “Feliz o país que pudesse ter um governador e um presidente da República dando murro na mesa para conseguir vacina. Não vamos criticar o governador de São Paulo por isso, não. Tenho muitas divergências com ele, e elas vão permanecer, mas enquanto ele batia na mesa querendo vacina, o de cá [Bolsonaro] estava oferecendo cloroquina a uma ema. É uma diferença muito grande”, disse Costa, que já foi ministro da Saúde.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 27 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 27 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Uma só Constituição

*Artigo publicado na Gazeta do Povo, dia 14 de junho de 2021. Paira no país certa insatisfação com o STF. O atual conceito do tribunal difere grandemente daquele citado por ex-ministros notáveis,...

Artigos Relacionados

Wilson Witzel recorre ao STF para não comparecer à CPI da Covid-19

Wilson Witzel recorre ao STF para não comparecer à CPI da Covid-19

O ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para não comparecer à CPI da Covid-19. Em pedido apresentado nesta terça-feira, 15, a defesa do político pede que ele não seja obrigado prestar depoimento aos senadores,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *