Comissão do voto impresso ouve peritos da PF sobre segurança do sistema eleitoral

Postado em 28 de maio de 2021

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do voto impresso continua avançando do Congresso Nacional. O relator da proposta pretende discutir com líderes da Câmara dos Deputados a possibilidade de votação da matéria no mês de junho. Filipe Barros (PSL) participou de audiência pública e questionou a atual auditoria do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “É possível falar que há, de fato, auditoria? É possível falar que o sistema hoje é auditável com irrisórios 0,010% de urnas verificáveis?”, questionou o parlamentar. Também presente na audiência, o especialista em perícia contábil e auditor, Roger Maciel, avaliou o controle das eleições. “Ele é auditável, é possível de ser auditado. A amostra é significativa? É pouca. O ideal de uma amostra seria um percentual de 0,010% que é feito hoje”, disse. “Ainda que nunca se tenha comprovado uma fraude ou que ela possa ser considerada muito difícil, ou até mesmo pouco provável. Sob o ponto de vista de segurança da informação, sob o ponto de vista da ciência que permeia essa área de conhecimento, é um fato que não podemos ignorar”, opinou o presidente da Associação Nacional dos Peritos Criminais Federais, Marcos de Almeida Camargo, sobre a atual segurança das urnas eletrônicas.

Para a deputada federal Bia Kicis (PSL), autora da proposta, o voto impresso é um pedido da população brasileira. “Acredito que até pouco tempo atrás o povo brasileiro tinha esse sentimento de segurança também. Só que hoje a gente vê que o povo não compartilha mais desse sentimento de segurança. O povo está clamando por voto impresso”, pontuou. Por outro lado, o deputado Arlindo Chinaglia (PT) questionou a mudança. “Nós não queremos acomodação, mas se a gente for às últimas consequências da dúvida, eu estaria autorizado de ter dúvida sobre todos os resultados eleitorais, mesmo com o trabalho da Polícia Federal, mesmo com o trabalho dos auditores, mesmo com o trabalho das Forças Armadas, que são convidadas, mesmo com o trabalho do Ministério Público e dos partidos políticos. Então isso não é razoável”, afirmou. Para o voto impresso ser implementado nas eleições de 2022, a PEC tem de ser aprovada na Câmara e no Senado até o início de outubro, um ano antes do pleito, de acordo com a legislação eleitoral.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 28 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *