Toffoli não poderia ter participado de votação sobre delação de Cabral, diz Thaméa Danelon

Postado em 28 de maio de 2021

O Supremo Tribunal Federal (STF) votou nesta quinta-feira, 27, contra a validação da delação premiada de Sérgio Cabral, que cita o recebimento de R$ 4 milhões pelo ministro Dias Toffoli com a venda de sentenças favoráveis a dois candidatos a prefeituras do Rio de Janeiro. A Suprema Corte recebeu sete votos favoráveis à anulação e quatro contrários. Além do relator Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Gilmar Mendes, Nunes Marques, Ricardo Lewandowski,  Luiz Fux e o próprio Dias Toffoli também votaram pela invalidação. O voto ministro envolvido, no entanto, é alvo de crítica dos juristas. “Um juiz não pode votar em um caso onde ele é o interessado. A lei é clara ao proibir a participação do juiz, é uma questão que vai além da legislação, é o bom sendo, é o óbvio. Jamais poderia ocorrer. Isso só mostra que o Supremo está cada vez mais distante da legislação, principalmente quando diz respeito às questões penais e criminais. Em hipótese alguma o ministro Toffoli poderia ter votado nesse caso”, opinou a procuradora da República, Thaméa Danelon, em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, nesta sexta-feira, 28. Segundo ela, além de impedida pela legislação brasileira, a não participação do ministro seria uma questão é de “bom senso”.

Thaméa Danelon considera que o episódio desta quinta-feira marca mais uma decisão da Suprema Corte contrária à luta de combate à corrupção e que abre brecha para novos pedidos de anulação. “Quando é proferida uma decisão, quando é formado um entendimento na Suprema Corte é formado um precedente. O que testemunhamos é que o próprio Supremo gera muita insegurança jurídica. Veja o ministro Fachin, ele homologou o acordo de colaboração e depois ele próprio voltou atrás e foi favorável à anulação da delação premiada. A Justiça tem que dar estabilidade ao país, tem que pacificar conflitos. O STF cada vez vota de uma forma”, ponderou, destacando a gravidade das acusações envolvendo Dias Toffoli. “Os fatos são gravíssimos, são trazidos por um ex-governador envolvido em diversas práticas ilícitas onde ele relata que o ministro tinha vendido sentenças, recebido milhões de reais, isso é gravíssimo. Qualquer juiz que venda uma sentença já é muito grave, o que dirá uma eventualidade de um ministro do STF. O STF quando incorpora o espírito de autoproteção ele não protege a instituição, ele enfraquece o próprio Supremo.”

Para mudar essa situação, a procuradora da República aponta que depende também da participação da sociedade, que deve ser “vigilante e cobrar uma postura adequada dos ministros”. “É inadmissível que eles atentem contra a Constituição e contra o Código de Processo Penal. A população precisa ficar atenta, a imprensa, os juristas apontem essas falhas, essas irregularidades. Acredito que seja possível essa alteração desses entendimentos que por vezes violam a própria lei”, disse, citando como alternativa a proposta que discute a instauração de mandatos aos ministros do STF. “Esse movimento [combate à corrupção] deveria vir do Legislativo e do Judiciário. E o exemplo máximo, que é o STF, só tem proferido decisões que são contrárias a esse propósito”, finalizou. De acordo com a assessoria do Supremo Tribunal Federal, a previsão é que o julgamento sobre a validade da delação premiada de Sérgio Cabral seja encerrado nesta sexta-feira.  Contrários a anulação estão os ministros Marco Aurélio, Rosa Weber, Cármen Lúcia e Luís Roberto Barroso.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 28 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigo: A PEC dos Precatórios

Um dos temas de maior repercussão recente na mídia é a Proposta de Emenda Constitucional nº 23/2021, que propõe alterações no regime constitucional de pagamento de precatórios. Confira aqui o artigo...

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *