Câmara de São Paulo tenta retomar discussão sobre operação urbana

Postado em 31 de maio de 2021

A Câmara de São Paulo deve votar nesta quarta-feira, 2, o projeto da Operação Urbana Água Branca. A proposta envolve cinco milhões de metros quadrados na região da avenida Marquês de São Vicente, da Barra Funda à Lapa. O texto foi aprovado em primeira votação, mas está travado desde 2013, após crises financeiras e desinteresse do mercado imobiliário. O projeto propõe incentivos e regras para o desenvolvimento da área através da venda de Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepac), emitidos pela Prefeitura de São Paulo. O presidente da Câmara, Milton Leite (DEM) lembra que o valor inicial de R$ 1.400 será alterado em função do mercado. “Não se vende e trava-se o setor. Nós injetamos esforços enormes, prometeu para a sociedade que faríamos investimentos gigantes por conta de um valor de Cepac de mais de R$ 1.400 e na prática não se vendeu. E por que não se vendeu? Porque não tinha mercado”, pontuou. Ele considera que o programa de investimentos será corrigido na segunda votação pelo menor valor do Cepac e ressalta a destinação de 30% das verbas para moradias de interesse social na região da operação urbana. “Nós estamos prevendo cerca de R$ 220 milhões para habitação na fase inicial. Se vamos gatar R$ 220 milhões, teria que gatar pelo menos R$ 500 milhões para ter os 30% ou R$660 milhões, que nós vamos destinar 30%. Vamos passar os primeiros R$ 220 milhões para a habitação porque é uma urgência social”, disse.

O vereador Antonio Donato questiona a redução acentuada do Cepac. O parlamentar do Partido dos Trabalhadores (PT) lembra que a outorga onerosa, outro instrumento da prefeitura que arrecada recursos pela possibilidade de se construir acima do permitido pelo coeficiente básico até o limite máximo de cada zona, está cotada a R$ 1.300 e seria mais vantajosa à prefeitura do que a operação urbana Água Branca. “Agora se quer jogar o preço para R$ 700, oito anos depois. A ifnlação desse período foi 94%. Mas não é que se quer jogar o preço para R$ 700, criaram uma tabela dinâmica que em alguns setores o preço vai para R$ 230. Aí é melhor não ter operação urbana. Desfaz e vamos vender outorga onerosa, é melhor para os cofres municipais. A Operação Urbana Água Branca é o primeiro de uma série projetos urbanísticos que a Câmara de São Paulo pretende discutir neste ano, ao lado das operações urbanas Tamanduateí, Arco Jurubatuba, Arco Pinheiros, Vila Leopoldina e Centro; e ainda a revisão do Plano Diretor Estratégico de 2014. O executivo deve enviar nos próximos dias ao legislativo o projeto para destravar a instalação de antenas de celular na capital, em uma preparação para a tecnologia 5G.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 31 de maio de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *