Nise Yamaguchi contradiz Anvisa e Mandetta, mas admite existência de ‘comitê independente’

Postado em 1 de junho de 2021

Em seu depoimento à CPI da Covid-19, Nise Yamaguchi contrariou versões apresentadas anteriormente pelo diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, e o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta ao afirmar que não partiu dela a proposta para alterar a bula da cloroquina por decreto presidencial, a fim de recomendá-la para o tratamento de pessoas infectadas com o novo coronavírus. A imunologista também apresentou à comissão um documento, no qual ela diz, em uma troca de mensagens, que a edição de um decreto presidencial sobre o uso do medicamentos do “kit Covid” iria expor o presidente Jair Bolsonaro. A equipe técnica que acompanha o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), apontou 13 contradições da depoente aos parlamentares.

Na segunda semana de trabalhos da CPI, Barra Torres disse que Nise Yamaguchi defendeu a alteração da bula da cloroquina por decreto presidencial. A proposta, segundo o diretor-presidente da Anvisa, teria gerado uma reação “um pouco deselegante”. “Me recordo [dessa reunião no Palácio do Planalto]. Confirmo que estávamos o Braga Netto, da Casa Civil, o ministro Mandetta, eu, a doutora Nise Yamaguchi e um médico do qual não me recordo o nome. Esse documento [minuta de decreto presidencial que previa a mudança da bula] foi comentado pela doutora Nise Yamaguchi, o que provocou uma reação, confesso, um pouco deselegante. A minha reação foi muito imediata, de dizer que aquilo não poderia ocorrer. Só quem pode modificar uma bula de um medicamento registrado é a agência reguladora daquele país, desde que solicitado pelo detentor do registro”, disse o contra-almirante da Marinha. Aos senadores, Nise Yamaguchi disse, nesta terça-feira, que não fez esta proposta. Diante da divergência de versões, o presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), sugeriu uma acareação entre Nise e Barra Torres.

Como a Jovem Pan mostrou, Yamaguchi apresentou à CPI da Covid-19 uma ata notarial com o registro de uma troca de mensagens no WhatsApp com um médico, identificado como Luciano Dias Azevedo, no dia 6 de abril de 2020. Na conversa, ela recebe uma minuta de decreto presidencial que versa sobre a distribuição de cloroquina e outros remédios ineficazes para o tratamento do coronavírus “a toda rede de saúde”. Em resposta ao interlocutor, afirma: “Oi, Luciano. Este decreto não pode ser feito assim, porque não é assim que regulamenta a pesquisa clínica. Tem normas próprias. Exporia muito o presidente”.

A médica também disse desconhecer um gabinete paralelo de assessoramento ao presidente Jair Bolsonaro. “Eu desconheço um gabinete paralelo e muito menos que eu integre qualquer gabinete paralelo. Sou uma colabora eventual e participo, junto com os ministro da Saúde”, ponderou. Ela admitiu, porém, que compôs um “comitê científico independente”, formado por “um grupo de médicos” que não tinham “vínculos oficiais” com o Ministério da Saúde, e que participavam de reuniões sobre o uso da cloroquina. “A gente não queria ter vínculos oficiais com o Ministério da Saúde”, explicou. Segundo a imunologista, os médicos voluntários participaram de um evento sobre tratamento precoce, no Palácio do Planalto, coordenado pelo ex-assessor da Presidência da República Arthur Weintraub.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 1 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *