Moraes retira sigilo de inquérito sobre atos antidemocráticos

Postado em 7 de junho de 2021

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), retirou, nesta segunda-feira, 7, o sigilo do inquérito que apura a realização e o financiamento de atos antidemocráticos que pediam o fechamento do Congresso Nacional e da Suprema Corte e a reedição do AI-5, ato mais repressivo da Ditadura Militar. A investigação foi aberta em abril de 2020, a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), e mira blogueiros e parlamentares bolsonaristas. Na sexta-feira, 4, a PGR pediu o arquivamento da apuração, cinco meses depois de a Polícia Federal (PF) apontar, em um relatório parcial, a necessidade de se aprofundarem as investigações.

Em sua decisão, Moraes afirma que o sigilo era necessário para a realização de diligências, mas que a restrição não se aplica mais em razão da apresentação do relatório da PF. “No caso dos autos, embora a necessidade de cumprimento das numerosas diligências determinadas exigisse, a princípio, a imposição de sigilo à totalidade dos autos, é certo que, diante do relatório parcial apresentado pela autoridade policial – e com vista à Procuradoria Geral da República, desde 4/01/2021 – não há necessidade de manutenção de total restrição de publicidade. Diante do exposto, determino o levantamento do sigilo dos autos principais deste inquérito, além do mencionado relatório elaborado pela Polícia Federal, que deverá ser juntado aos autos principais”, escreveu o magistrado.

No parecer da sexta-feira, 4, o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, afirma que a PF não conseguiu apontar a participação de parlamentares nos atos. “Esse inadequado direcionamento da investigação impediu a identificação de lacunas e dos meios necessários, adequados e proporcionais para alcançar a sua finalidade, impossibilitou a delimitação do problema, e fez com que as anões e as diligências de toda a equipe policial se afastassem do escopo das buscas e apreensões”, disse. São investigados os deputados Alê Silva (PSL-MG), Aline Sleutjes (PSL-PR), Bia Kicis (PSL-DF), Carla Zambelli (PSL-SP), Caroline de Toni (PSL-SC), General Girão (PSL-RN), Guiga Peixoto (PSL-SP), Junio Amaral (PSL-MG) e o senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ), que morreu em outubro do ano passado, vítima da Covid-19. Os deputados Daniel Silveira (PSL-RJ) e Ottoni de Paula (PSC-RJ) foram investigados e foram denunciados ao STF, com base neste inquérito. Para eles, o arquivamento não se aplica.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 7 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigo: A PEC dos Precatórios

Um dos temas de maior repercussão recente na mídia é a Proposta de Emenda Constitucional nº 23/2021, que propõe alterações no regime constitucional de pagamento de precatórios. Confira aqui o artigo...

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *