Por 16 a 1, Conselho de Ética aprova pedido de cassação do mandato da deputada Flordelis

Postado em 8 de junho de 2021

O Conselho de Ética da Câmara aprovou nesta terça-feira, 8, o pedido de cassação do mandato da deputada Flordelis (PSD) por quebra de decoro parlamentar. Ela é acusada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro de agir como mandante no assassinato do pastor Anderson do Carmo, seu marido. Ao todo, 16 paralmentares votaram de maneira favorável ao relatório apresentado pelo deputado Alexandre Leite (DEM), que defende a cassação. Apenas Márcio Labre (PSL) votou pela manutenção do mandato da acusada. A decisão do colegiado será registrada em Diário Oficial nos próximos dias. Assim que o parecer for publicado, Flordelis e sua defesa possuirão cinco dias úteis para recorrer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.

Antes da votação começar, Flordelis chorou e pediu por um “julgamento justo”. “Rogo a Deus para que minhas palavras alcance vossos corações, que os sensibilize e, com isso, possam me dar um julgamento justo nesta Casa, me garantindo paridade de armas para que eu possa buscar a verdade e a minha liberdade. Tenho 60 anos. Se eu for jogada na prisão e este parlamento não me permitir paridade de armas com aqueles que me acusam, estará me condenando à prisão perpétua. Tudo o que me resta é confiar na orientação de Deus para vosso julgamento, buscar forças nele e confiar na Justiça que somente vocês podem me dar neste momento”, disse aos deputados que fizeram parte do júri. A defesa de Flordelis, representada pela advogada Janira Rocha, também se pronunciou afirmando que o Conselho de Ética “não é competente para julgar o processo” e que o “julgamento antecipado” dos fatos investigados caracteriza uma “usurpação de competências”.

Apesar da maioria dos parlamentares decidir pela cassação do cargo no Conselho de Ética, a palavra final será dada em votação no plenário da Câmara dos Deputados. O mandato de Flordelis apenas será interrompido se a maioria absoluta dos deputados concordar com a suspensão – ou seja, se houver 257 votos favoráveis à cassação. Esta votação maior ainda não possui data marcada, portanto caberá ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), decidir quando será realizada. Atualmente Flordelis responde por homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio, uso de documento falso e associação criminosa armada. Apesar das acusações, a deputada não pode ser presa devido à imunidade parlamentar. O dispositivo determina que indivíduos com imunidade parlamentar apenas podem ser presos em flagrantes de crimes inafiançáveis.

Confira a votação no Conselho de Ética:

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 8 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *