Bolsonaro reconhece equívoco ao atribuir relatório de mortes por Covid-19 ao TCU

Postado em 9 de junho de 2021

O presidente Jair Bolsonaro reconheceu nesta terça-feira, 8, que não há um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) que aponte uma “supernotificação” de pelo menos 50% no número de óbitos pela Covid-19 registrados no país no ano passado. A informação havia sido dada por ele a apoiadores na segunda-feira, mas foi desmentida pelo Tribunal. Nesta terça, Bolsonaro explicou que, na verdade, se referia a um acórdão, onde a Corte apontava a possibilidade de que Estados e municípios inflassem os dados para ter acesso a mais verbas. “Tem uma lei complementar do ano passado que diz que a distribuição de verbas do governo federal para Estados levava-se em conta alguns critérios, o mais importante era incidência de Covid-19. E o próprio TCU dizia que essa  lei complementar poderia incentivar uma prática não desejável da supernotificação de Covid-19 para aquele Estado ter mais recursos”, disse.  Em nota, o órgão afirmou que o documento é uma “análise pessoal” do servidor Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques e que não consta “quaisquer processos oficiais” do órgão. Para o ministro-corregedor do TCU, Bruno Dantas, o episódio é “grave” e se ficar comprovada a participação do auditor no caso, ele deverá ser punido “exemplarmente”. 

Segundo o presidente, dados oficiais mostram que, desde 2015, há um aumento no número de óbitos no país em relação ao ano anterior. Entre 2019 e 2020, no entanto, teria ocorrido o que ele definiu como ‘crescimento negativo’, ou seja, um decréscimo no registro de mortes. Para o presidente, isso é um indício que houve supernotificação. “Em cima disso, para justificar tudo por parte de alguns Estados, com toda certeza, os lockdowns, a política de fechar tudo, de toque de recolher para justificar: ‘olha, o meu Estado está morrendo muita gente e são supernotificados e eu tenho que justificar em cima disso’”, disse. Para tentar confirmar a acusação de que governadores inflaram os dados sobre os óbitos para conseguir mais dinheiro do governo, Bolsonaro determinou uma investigação por parte da Controladoria-Geral da União (CGU). A suspeita do presidente tem base em um entendimento do TCU de que vincular o envio de recursos federais à situação da pandemia nos Estados poderia levar à supernotificação, mas não há tabelas, estudos ou dados que apontem que isso aconteceu. 

*Com informações do repórter Antônio Maldonado

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 9 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 9 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *