MPF denuncia Filipe Martins, assessor especial da Presidência, por crime de racismo

Postado em 9 de junho de 2021

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou à 12ª Vara de Justiça Federal nesta terça-feira, 8, o assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência, Filipe Martins, por fazer um gesto de conotação racista durante uma sessão do Senado realizada no dia 24 de março. O sinal em questão é frequentemente utilizado por movimentos extremistas que defendem a ideia de supremacia branca. Ele responderá judicialmente de acordo com a lei de crimes raciais por ter praticado e induzido a discriminação e o preconceito de raça, podendo perder o cargo público, ser condenado à prisão ou ao pagamento da multa de valor mínimo de R$30 mil.

A peça oferecida pelo MPF alega que “com vontade livre e consciente”, Martins teria “praticado, induzido e incitado a discriminação e o preconceito de raça, cor e etnia, em detrimento da população negra em geral e contra grupos sociais não brancos, mediante a realização de gesto apropriado por movimentos extremistas com simbologia ligada à ideia de supremacia branca”. Na ocasião, a Polícia do Senado instaurou inquérito para apurar a conduta de Martins. Em maio, após o término das investigações, o órgão decidiu indiciar o acusado sob o artigo 20 da lei 7.716, que aborda crimes de preconceito de raça ou de cor. A ação enviada à 12ª Vara de Justiça Federal nesta tarde conta com informações reveladas pelo inquérito conduzido pela Polícia do Senado.

O sinal realizado com a mão direita por Filipe reproduz as letras “W” e “P”, em referência à expressão “White Power” – que significa “Poder Branco” em inglês. “O gesto é comumente usado em fóruns online como o 4chan, e em redes sociais, entre indivíduos de extrema direita como um sinal de ‘orgulho da supremacia branca’”, registra a peça da denúncia à qual a Jovem Pan teve acesso. De acordo com a defesa de Martins, ele não teria feito nenhum sinal, mas sim arrumado a roupa. A versão da defesa é desmentida pelo MPF, que afirma que “foram realizadas perícias minuciosas sobre os movimentos praticados por Filipe a fim de analisar se o assessor estaria de fato apenas ajeitando o seu terno, como ele alegou. No entanto, a conclusão investigativa apontou que as ações foram incompatíveis com um possível ajuste de suas roupas”.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 9 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *