Wilson Lima diz que não foi à CPI da Covid-19 por causa da crise de segurança no Amazonas

Postado em 10 de junho de 2021

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), afirmou, em nota oficial, divulgada na manhã desta quinta-feira, 10, que não foi à CPI da Covid-19 por causa da crise de segurança pública do Estado. Uma operação da Polícia Militar causou a morte de um traficante ligado ao Comando Vermelho e motivou a reação da facção criminosa, que incendiou ônibus e causou o fechamento de escolas – até o momento, 42 pessoas foram presas. O chefe do Executivo estadual foi convocado para depor mas não compareceu em razão de um habeas corpus concedido, na noite desta quarta-feira, 9, pela ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF). Em sua decisão, a magistrada destacou que Lima é investigado e, por isso, tem o direito de não se incriminar na comissão.

“A ministra tomou a decisão e facultou a minha participação na CPI. Eu optei por não ir, em razão de todos esses episódios que têm acontecido no Amazonas. Eu preciso estar junto à população e coordenar ações na área de segurança. O povo precisa de mim aqui neste momento”, diz um trecho da nota. Wilson Lima também citou o princípio da separação dos poderes para justificar a sua ausência. Ele argumenta que “os direitos da Constituição Federal precisam ser garantidos”. “Temos um princípio que é importante ser respeitado, que é a independência dos poderes. Isso é um princípio básico e elementar, os direitos da constituição precisam ser garantidos”, acrescenta o texto.

Com a ausência de Wilson Lima, os membros da comissão votaram requerimentos e aprovaram a quebra de sigilo telefônico e telemático de 19 alvos das investigações, entre eles, os ex-ministros Eduardo Pazuello (Saúde) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores), a secretária do Ministério da Saúde Mayra Pinheiro, conhecida como “capitã cloroquina”, e o assessor da Presidência para assuntos internacionais, Filipe Martins. Na sessão desta quinta-feira, os senadores também aprovaram a convocação do ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário – a data de seu depoimento não foi marcada. Além de questionamentos sobre repasses de verbas da União a Estados e municípios, ele deve ser questionado sobre a Medida Provisória (MP) que daria condições para a compra da vacina da Pfizer.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 10 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 10 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *