CPI da Covid-19 ouve ex-secretário de Saúde do Amazonas nesta terça-feira

Postado em 15 de junho de 2021

A CPI da Covid-19 ouve nesta terça-feira, 15, o ex-secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campelo. Alvo de investigação da Polícia Federal, ele chegou a ser preso. Uma operação investiga uma suposta contratação fraudulenta de um hospital de campanha no Estado. Além disso, a comissão tem como um dos objetos de investigação o colapso da saúde em Manaus provocado pela falta de oxigênio, em janeiro. Já na quarta-feira, será a vez do ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel. O motivo são as denúncias de que ele teria se beneficiado de um esquema de corrupção na Secretaria de Saúde do Estado, o que resultou no impeachment do político. Senadores governistas esperam que, com esses depoimentos, o colegiado se aprofunde na investigação de supostos desvios nos governos estaduais e municipais. Em entrevista à Jovem Pan, o senador Izalci Lucas disse que a CPI pode servir para aperfeiçoar a fiscalização sobre verbas repassadas pela União.

“A CPI não é apenas para apurar irregularidades, ela serve também para você melhorar legislação, sugerir mudanças no Executivo em termos de controle. Todos os repasses feitos aos Estados e municípios, a única coisa que o governo federal tem é que passou, mas não há nenhum controle, nenhuma fiscalização com relação a isso”, pontuou. A defesa do empresário Carlos Wizard pediu para que o depoimento dele, marcado para quinta-feira, seja feito de forma virtual. Os advogados alegam que ele está nos Estados Unidos “acompanhando tratamento médico de familiar”. Já o Palácio do Planalto informou que não vai poder cumprir um dos pedidos de informação da CPI: as atas de cinco reuniões entre o presidente Jair Bolsonaro, ministros e auxiliares próximos, como o deputado Osmar Terra. Os documentos não teriam sido lavrados pelo governo.

Também nesta segunda, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu as quebras de sigilo aprovadas pela CPI de dois servidores do Ministério da Saúde: Flávio Werneck, que foi assessor de Relações Internacionais na gestão de Eduardo Pazuello, e Camile Giaretta Sachetti, ex-diretora do departamento de Ciência e Tecnologia. O médico Luciano Azevedo, suspeito de participar do suposto gabinete paralelo da Saúde, fez o mesmo pedido, mas foi negado pelo ministro Ricardo Lewandowski.

*Com informações do repórter Levy Guimarães

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 15 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *