Wilson Witzel recorre ao STF para não comparecer à CPI da Covid-19

Postado em 15 de junho de 2021

O ex-governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para não comparecer à CPI da Covid-19. Em pedido apresentado nesta terça-feira, 15, a defesa do político pede que ele não seja obrigado prestar depoimento aos senadores, previsto para acontecer nesta quarta-feira, e usa como exemplo a decisão da ministra Rosa Weber, que autorizou que o governador do Amazonas, Wilson Lima, a não comparecer ao colegiado. A determinação ocorrida na semana passada fez com que Lima não comparecesse, de fato, à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), o que causa preocupação e tem sido alvo de crítica de membros do colegiado. Os parlamentares temem que a decisão “abra uma porteira” para que outros depoentes, como Wilson Witzel, procurem o STF para requerer os mesmos direitos, o que pode prejudicar os trabalhos da CPI. O ex-governador é aguardado no colegiado para esclarecer sobre contratações feitas durante a pandemia. A defesa do político, no entanto, alega que o assunto já está sendo tratado pela Justiça fluminense.

Além disso, o advogado Diego Carvalho Pereira pontua, citando a Constituição e o regimento interno do Senado Federal, que os parlamentares não possuem competência para apurar questões referentes aos Estados. Ele destaca ainda que a convocação do governador como testemunha “configura verdadeiro subterfugio ilegal para obrigar o paciente a comparecer compulsoriamente para prestar depoimento perante a CPI, bem como o obrigar a falar sobre fatos que já é investigado e/ou processado”, ressaltando que o político tem “o direito a não autoincriminação, que lhe garante escolher dentro de sua facultatividade e discricionariedade, se comparece ou não perante a CPI para depor sobre fatos que é investigado, sendo ilegal a obrigatoriedade de comparecimento mediante convocação”. Dessa forma, a defesa espera que seja concedido habeas corpus, permitindo que o comparecimento de Wilson Witzel à comissão no Senado seja facultativo e que, caso vá ao colegiado, sejam garantidos os direitos: de não autoincriminação, de permanecer em silêncio e de não responder a perguntas que lhe forem feitas, acompanhamento de advogados e, entre outras coisas, “o direito de não ser submetido ao compromisso de dizer a verdade ou de subscrever termos neste sentido”.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 15 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigo: A PEC dos Precatórios

Um dos temas de maior repercussão recente na mídia é a Proposta de Emenda Constitucional nº 23/2021, que propõe alterações no regime constitucional de pagamento de precatórios. Confira aqui o artigo...

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *