Procurador critica aprovação às pressas da Lei da Improbidade: ‘Processo foi muito atropelado’

Postado em 17 de junho de 2021

O presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, Ubiratan Cazetta, comentou a aprovação às pressas da Lei de Improbidade Administrativa na noite de quarta-feira, 16, pela Câmara dos Deputados. Promotores e procuradores têm criticado o projeto, pois acreditam que políticos irão se beneficiar da mudança.”A forma como isso foi votado demonstra muito [que os políticos querem se beneficiar]. Esse processo todo foi muito atropelado. Na terça-feira, 15, nós tivemos a divulgação do relatório final, alterando os relatórios anteriores, e tivemos uma votação expressa, sem debate. Nenhuma Lei do porte da Lei de Improbidade pode ser debatida dessa forma, porque se perde a essência, se perde efetivamente o que se pretende na reforma”, apontou Ubirtan Cazetta em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan. Uma das principais mudanças da Lei é a definição de que apenas as condutas dolosas de agentes públicos serão punidas. Com isso, será preciso comprovar que o gestor tinha a intenção de cometer a ilegalidade ao praticar um desvio.

Pela lei atual, a punição pode ser aplicada mesmo se não houver a intenção. Defensores do projeto alegam que o texto tem condenado erros como se fossem crimes, o que afastaria pessoas honestas da política. “A reforma tem que ter objetivos. O único objetivo dito na quarta-feira pelos deputados é que as ‘pessoas de bem’ estavam sendo excluídas da política. Isso não é fato. Nós temos 29 anos de ação de improbidade. A Lei já foi interpretada melhor pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça). Não há razão para essa pressa toda”, argumentou o promotor. “Acho que nós estamos muito acostumados aos polos, a ir de um extremo ao outro. Nós saímos de um extremo em que de fato a interpretação era de que qualquer incompetência era improbidade e chegamos agora a um ponto em que nada é improbidade, porque provar o dolo da forma como o projeto traz é praticamente impossível”, criticou Cazetta. Com a aprovação do texto na Câmara, a proposta seguirá para o Senado Federal. “O que nós vamos tentar como sociedade nos debates no Senado é chegar a esse centro, evitar que situações que sejam meros erros formais sejam punidas, mas não com a extensão do que a alteração na Lei propõem. Da forma como está, as situações que hoje são graves, como dolo eventual e dolo genérico, não serão mais contempladas. Nós temos que chegar ao centro pra que se garanta a proteção ao patrimônio público, a honestidade, a lealdade e também a proteção de um bom administrador que cometa um erro maior”, concluiu o promotor.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 17 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigo: A PEC dos Precatórios

Um dos temas de maior repercussão recente na mídia é a Proposta de Emenda Constitucional nº 23/2021, que propõe alterações no regime constitucional de pagamento de precatórios. Confira aqui o artigo...

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *