Guedes vê exagero no prato da classe média e diz que sobras poderiam alimentar os mais pobres

Postado em 18 de junho de 2021

O ministro da Economia Paulo Guedes defendeu, nesta quinta-feira, 17, que as sobras de restaurantes sejam destinadas aos mais pobres e vulneráveis. A fala ocorreu durante o Fórum da Cadeia Nacional de Abastecimento, promovido pela Associação Brasileira de Supermercados. Para o ministro, é preciso pensar em soluções para os “excessos” cometidos pela classe média. Segundo Guedes, essas medidas seriam encadeadas com políticas de assistência social para mitigar o problema da fome no Brasil. “Você vê um prato de um [cidadão de] classe média europeu, que já enfrentou duas guerras mundiais, são pratos relativamente pequenos. E os nossos, aqui, nós fazemos almoços onde às vezes há uma sobra enorme. E isso vai até o final, que é a refeição da classe média alta. Até lá há excessos. Então desde como utilizar esses excessos dos restaurantes do dia a dia e esse encadeamento com as políticas sociais tem que ser feito”, disse. No evento, o governo anunciou que vai criar um grupo de trabalho para avaliar a proposta de flexibilização da regra que trata da validade de alimentos no Brasil. A sugestão é adotar um modelo que permita vendas de baixo custo e doações a partir de determinado prazo.

 A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, criticou os excessos da legislação brasileira na área e defendeu que é importante tratar do tema desperdício e conectar com o mapa da fome. “Nós podemos rever a nossa legislação em uma série de fatores e gargalos para melhorar, principalmente essa validade dos nossos alimentos. Me coloca à disposição para criar um grupo no Ministério da Agricultura rapidamente e talvez um grupo interministerial, junto com o ministro Paulo Guedes e a Cidadania, para que a gente possa andar celeremente com esse assunto, que é importantíssimo”, afirmou. Em nota, a Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital criticou a fala de Guedes, dizendo que o ministro demonstra “desconhecimento do funcionamento de seu próprio país” e cobra o que chamou de políticas sérias e efetivas de combate à desigualdade. A Fenafisco defende, entre outras propostas, a tributação dos mais ricos para financiamento de programas sociais.

*Com informações da repórter Letícia Santini

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 18 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *