CPI da Covid-19 se posiciona sobre meio milhão de mortos: ‘Vidas que poderiam ter sido poupadas’

Postado em 19 de junho de 2021

O Brasil superou a marca de meio milhão de mortos em decorrência da Covid-19 neste sábado, 19. Segundo o Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass), no total, são 500.800 óbitos causados pelo novo coronavírus desde a chegada da pandemia no país, em março de 2020. Diante do número, integrantes da CPI da Covid-19 divulgaram uma nota na qual “transmitem os mais profundos sentimentos” ao país. “Nessa data dolorosamente trágica, transmitimos os mais profundos sentimentos ao país. Temos consciência que nenhuma palavra é suficiente para consolar e superar a dor das perdas de nossas famílias. São 500 mil sonhos interrompidos, 500 mil vidas ceifadas precocemente, 500 mil planos, desejos e projetos. Meio milhão de vidas que poderiam ter sido poupadas com bom-senso, escolhas acertadas e respeito à ciência”, registra o documento.

Assinam a nota o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD), o vice-presidente Randolfe Rodrigues (Rede), e o relator Renan Calheiros (MDB). Além dos nomes que integram a alta cúpula da comissão, o documento também têm a assinatura dos senadores Tasso Jereissati (PSDB), Otto Alencar (PSD), Eduardo Braga (MDB), Humberto Costa (PT), Alessandro Vieira (Cidadania), Rogério Carvalho (PT) e Eliziane Gama (Cidadania). “Asseguramos que os responsáveis pagarão por seus erros, omissões, desprezos e deboches. Não chegamos a esse quadro devastador, desumano, por acaso. Há culpados e eles, no que depender da CPI, serão punidos exemplarmente. Os crimes contra a humanidade, os morticínios e os genocídios não se apagam, nem prescrevem. Eles se eternizam e, antes da justiça Divina, se encontrarão com a justiça dos homens”, conclui a nota.

Outras autoridades também se manifestaram sobre os mortos pela Covid-19. O ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, que esteve à frente do Ministério da Saúde quando os primeiros diagnósticos foram registrados no país, usou as redes sociais para se posicionar. “É dor demais. A ausência de liderança não apenas provocou uma tragédia muito maior do que deveria ser, como já prepara a ressaca futura”, publicou. Assim que Mandetta deixou o governo, seu cargo foi ocupado por Nelson Teich. O segundo ex-titular da pasta analisou que o número de óbitos “retrata o quanto precisamos melhorar a eficiência do combate à Covid-19 e do sistema de saúde como um todo”. Ocupante do cargo atualmente, o ministro Marcelo Queiroga ponderou que está “trabalhando incansavelmente para vacinar todos os brasileiros no menor tempo possível”.

À frente do combate contra a Covid-19 em São Paulo, o governador João Doria (PSDB) registrou que a quantidade de vítimas fatais constitui “a mais triste marca da história do país”. “Um sentimento de vazio e indignação invade meu coração. É inadmissível perdermos pessoas para um vírus sabendo que já havia uma vacina. Morreram por descaso”, completou o tucano em nota. Já o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), ponderou que a marca não trata-se de números, mas “histórias de vida que se perderam”. O governador do Maranhão, Flávio Dino,  decretou luto oficial de três dias no estado devido ao meio milhão de óbitos. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não se manifestou sobre as mortes.

Confira a repercussão:

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 19 de junho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *