No Congresso, Centrão defende meio-termo para viabilizar ‘Fundão’

Postado em 22 de julho de 2021

Lideranças dos partidos do Centrão têm feito a defesa de um “meio-termo” para viabilizar o Fundo Eleitoral no Congresso. Na quinta-feira, 15, véspera do início do recesso parlamentar, a Câmara dos Deputados e o Senado aprovaram um “Fundão” de R$ 5,7 bilhões, quase o triplo do montante disponibilizado para o financiamento das campanhas em 2020. Apesar da crise gerada por declarações do presidente Jair Bolsonaro, que culpou e atacou o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), pela aprovação do dispositivo, os congressistas levaram ao Palácio do Planalto a sugestão de o ajuste ser feito via Lei Orçamentária Anual (LOA). Neste caso, Bolsonaro vetaria o trecho que foi aprovado, mas incluiria na LOA um valor entre R$ 3 bilhões e R$ 4 bilhões.

Segundo um assessor presidencial ouvido pela reportagem, o meio-termo proposto pelos parlamentares é bem visto pelo Palácio do Planalto. Nesta composição, avalia, Bolsonaro faria um aceno aos seus eleitores e evitaria uma indisposição com os partidos que dão sustentação ao seu governo. Nos últimos dias, o presidente tem se colocado contra o aumento do “Fundão”. Em uma publicação em seu perfil no Twitter, na terça-feira, 20, o chefe do Executivo federal disse que defende “a harmonia entre os Poderes”, mas, “em respeito ao povo brasileiro”, ressaltou que vetaria o aumento. “Defendemos, acima de tudo, a harmonia entre os Poderes, bem como a sua autonomia. É partindo deste princípio que jogamos, desde o início, dentro das quatro linhas da Constituição Federal. Dito isso, em respeito ao povo brasileiro, vetarei o aumento do fundão eleitoral”, escreveu.

Parlamentares aliados ao governo foram surpreendidos com os ataques feitos por Bolsonaro a Marcelo Ramos. O presidente da República afirmou que o vice da Câmara, que conduziu a sessão do Congresso que aprovou a LDO, “atropelou o regimento” e impediu a votação de um destaque do partido Novo que buscava vetar o Fundão – o que não é verdade. Ramos tem bom trânsito na oposição e é do mesmo partido da ministra da Secretaria de Governo (Segov) Flávia Arruda, responsável pela articulação política. Deputados ouvidos pela Jovem Pan destacaram que o aumento do fundo eleitoral foi acordado no colégio de líderes e contou com a anuência das lideranças governistas. “Isso gera quebra de confiança. O combinado não sai caro”, disse um correligionário do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL).

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 22 de julho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *