Precisa Medicamentos: ‘Falsificação de documento torna qualquer empresa inidônea’, diz Omar Aziz

Postado em 23 de julho de 2021

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), comentou, nesta sexta-feira, 23, a decisão da Bharat Biotech de romper o contrato com a Precisa Medicamentos, que intermediou a compra de 20 milhões de doses da Covaxin pelo governo do presidente Jair Bolsonaro. Em nota, o laboratório indiano afirmou que documentos enviados pela empresa brasileira ao Ministério da Saúde são falsos. “Uma coisa que deixa inidônea qualquer empresa é a falsificação de documento”, disse Aziz em mensagem enviada à Jovem Pan. Em razão do posicionamento da Bharat, a cúpula da comissão irá pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) que reveja a decisão que garantiu ao dono da empresa, Francisco Maximiano, o direito de ficar em silêncio em seu depoimento. O empresário deve ser ouvido pelos parlamentares na primeira semana de agosto, após o recesso parlamentar – os trabalhos do colegiado serão retomados no dia 3 de agosto.

“É grave, gravíssimo. Essa empresa [Precisa Medicamentos] não terá mais nenhuma oportunidade de fazer licitação em lugar nenhum do Brasil. Isso, se comprovado, é um prejuízo muito grave para a empresa. A lei das licitações ou qualquer certame que exige preço, qualidade, uma coisa que deixa inidônea qualquer empresa é a falsificação de qualquer tipo de documento. Se você for perceber, comparando com o documento original, até o nome da Bharat está errado. É um negócio tão amador, mas tão amador”, afirma o presidente da CPI da Covid-19. “Não quero fazer juízo de valer, mas se praticou isso agora é porque já tinha o costume de praticar certas irregularidades. Isso é graças à CPI, porque senão os brasileiros estariam comendo gato por lebre”, acrescentou Omar Aziz.

Entre os integrantes da cúpula da CPI da Covid-19, prevalece a avaliação de que a decisão da Bharat Biotech de romper o seu acordo com a Precisa Medicamentos reforça os indícios de irregularidades no contrato firmado pelo governo Bolsonaro – após as denúncias feitas pelos irmãos Luis Ricardo Miranda, chefe de Importação do Ministério da Saúde, e Luis Miranda (DEM-DF), deputado federal, o ministro Marcelo Queiroga suspendeu o contrato de compra da Covaxin. Os irmãos Miranda se reuniram com o presidente Jair Bolsonaro, no dia 20 de março, no Palácio da Alvorada, para reportar os erros no processo de aquisição dos imunizantes. Bolsonaro está sendo investigado pela Polícia Federal (PF) pelo suposto crime de prevaricação.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 23 de julho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 23 de julho de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Homenagem da UFPR à memória do Professor René Dotti

A Universidade Federal do Paraná, por sua Faculdade de Direito, Programa de Pós-Graduação em Direito e o Departamento de Direito Penal e Processual Penal, homenagearão a memória do Professor Titular...

Artigos Relacionados

Citação Eletrônica: Cuidados que as empresas podem adotar

Citação Eletrônica: Cuidados que as empresas podem adotar

Citação Eletrônica A Lei nº 14.195/2021 foi publicada no dia 27.08.2021. Desde então, estão em vigor as regras que alteram o Código de Processo Civil. Uma das principais mudanças é o incremento à citação eletrônica das pessoas jurídicas, a qual deverá ocorrer,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *