Após discurso de Fux, Bolsonaro volta a defender voto impresso: ‘Estão com medo de quê?’

Postado em 2 de agosto de 2021

Minutos depois de o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, rebater as acusações sobre fraude nas urnas, o presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar o ministro Luís Roberto Barroso, que preside o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e defender a aprovação da PEC do voto impresso, que tramita na Câmara dos Deputados – a proposta, de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF), enfrenta resistência de líderes partidários e deve ser rejeitada na comissão especial que analisa o tema. “Porque um não quer o voto democrático, temos que abaixar a cabeça? Estão com medo de quê? Qual o poder do presidente do TSE para ir ao Parlamento e rapidamente fazer a cabeça de várias lideranças partidárias para não ter o voto impresso?”, questionou o chefe do Executivo federal. “Repito publicamente aqui: temos que ter eleições limpas, eleições democráticas, que possam ser auditadas”, acrescentou, em evento de assinatura de acordo para a construção de cisternas em escolas.

Bolsonaro também ironizou um trecho do discurso de Fux, feito na abertura da sessão inaugural do segundo semestre de trabalhos do STF. O presidente da Corte afirmou que “o diálogo eficiente pressupõe compromisso permanente com as palavras”. “Ah, tem que ter cautela, cuidado com as palavras. O inimigo está aí, o risco está aí”, rebateu o mandatário do país. Em seu discurso, o presidente da República também disse que, “se errar”, pode renunciar ao cargo de presidente. “É uma briga para se manter no poder, para cumprir a missão. Se eu errar, não precisa de impeachment, vou embora”, afirmou. Ele acrescentou dizendo que não errou e “só Deus” o tira da Presidência. “Parece que não se pode falar a verdade. É ameaça de processo, até de impeachment. Só Deus me tira daqui, não errei. Dei o melhor de ‘si’, juntamente com meus ministros”, prosseguiu.

Como a Jovem Pan mostrou, Fux fez um discurso em defesa da democracia e das instituições. Sem citar nominalmente Bolsonaro, o magistrado disse que “a harmonia e a independência dos Poderes não implicam impunidade de atos que exorbitem o necessário respeito às instituições”. “Permanecemos atentos aos ataques de inverdades à honra dos cidadãos que se dedicam à causa pública. Atitudes desse jaez deslegitimam, veladamente, as instituições do país, e ferem não apenas biografias individuais, mas corroem, sorrateiramente, os valores democráticos consolidados ao longo de anos pelo suor e pelo sangue dos brasileiros que viveram em prol da construção da democracia do nosso país”.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 2 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 2 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“....

Artigos Relacionados

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

Três meses depois da aprovação de sua convocação, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, depõe nesta terça-feira, 21, à CPI da Covid-19. A oitiva deve ser marcada por uma espécie de guerra de narrativas entre senadores governistas e membros...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *