Pauta do voto impresso não deve avançar devido ao ‘momento político’, afirma deputado

Postado em 5 de agosto de 2021

O deputado federal Paulo Ganime, titular da comissão especial da PEC do voto impresso, acredita que a tendência é de que a pauta não avance. Apesar de considerar o debate válido e ser defensor do projeto, ele vê com maus olhos as ameaças do presidente da República, Jair Bolsonaro, em relação às eleições de 2022. “Tem que separar os dois temas. [O voto auditável] é um tema válido, particularmente acho que não deveria ser discutido para 2022 pela questão fiscal e pela polarização política. Mas [o tema] foi cooptado pelo presidente para uma discussão totalmente absurda em relação a possibilidade das eleições de 2022 acontecerem ou não.”

Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, o deputado afirmou que Bolsonaro está muito mais prejudicando a boa discussão sobre o tema do voto impresso do que facilitando a aprovação. “A gente vê alguns parlamentares que não são fundamentalmente contra o voto impresso, mas estão contra por conta do uso irracional por parte do presidente da República. Tem bolsonaristas, políticos e apoiadores do Bolsonaro que estão tentando trazer o debate de forma correta, mas o presidente está subindo o tom. Na verdade, às vezes fico na dúvida se ele não faz isso para o voto impresso não ser aprovado. O que ele tem feito tem prejudicado muito mais a boa discussão do tema do que facilitando a aprovação. Até quem era favorável, agora é contra. E eu não acredito que mudou a posição em relação às urnas, mudou principalmente por conta do momento político.”

Paulo Ganime, no entanto, não concorda com a reação do ministro do STF Alexandre de Moraes de incluir Jair Bolsonaro no inquérito das fake news. “Virou um inquérito guarda-chuva, para colocar qualquer coisa ali dentro. A gente discute e bate nesse inquérito desde o início. O uso desse inquérito para debater esse tema, colocar o Bolsonaro em investigação, é inapropriado. Se há motivos para investigação, abrir um inquérito conta ele, eu não vou nem discutir. Isso cabe a uma análise por parte dos ministros e da PGR. Mas usar do inquérito das fake news e polemizar publicamente batendo de frente é uma reação indevida do Poder Judiciário.” O deputado ainda acrescentou que não defende a retirada de poder do Tribunal Superior Eleitoral, mas a redistribuição das funções e a desconcentração de responsabilidade das eleições.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 5 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 5 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Homenagem da UFPR à memória do Professor René Dotti

A Universidade Federal do Paraná, por sua Faculdade de Direito, Programa de Pós-Graduação em Direito e o Departamento de Direito Penal e Processual Penal, homenagearão a memória do Professor Titular...

Artigos Relacionados

Citação Eletrônica: Cuidados que as empresas podem adotar

Citação Eletrônica: Cuidados que as empresas podem adotar

Citação Eletrônica A Lei nº 14.195/2021 foi publicada no dia 27.08.2021. Desde então, estão em vigor as regras que alteram o Código de Processo Civil. Uma das principais mudanças é o incremento à citação eletrônica das pessoas jurídicas, a qual deverá ocorrer,...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *