Em busca de um partido para chamar de seu, Bolsonaro enfrenta resistência no PP

Postado em 8 de agosto de 2021

Apesar da negociação para uma possível filiação ao Progressistas, o nome do presidente Jair Bolsonaro enfrenta resistência de alguns segmentos da legenda. Lideranças da sigla ouvidas pela Jovem Pan temem que o chefe do Executivo federal queira “mandar no partido”. Embora avaliem que a ida de Bolsonaro possa ser positiva, sobretudo em um cenário no qual o presidente pode eventualmente ser reeleito, parlamentares citam o fato do mandatário do país afirmar que quer uma legenda para chamar de sua. Em entrevista à Rádio Grande FM, de Mato Grosso do Sul, no fim de julho, o chefe do Executivo federal disse que quer ter “o domínio do partido”. “Tentei e estou tentando um partido que eu possa chamar de meu e possa, realmente, se for disputar a Presidência, ter o domínio do partido. Está difícil, quase impossível”, afirmou há duas semanas.

Novo presidente nacional do partido, o deputado federal André Fufuca (PP-MA) diz que a negociação de Bolsonaro com a legenda é um “projeto embrionário”. Ele avalia, no entanto, que as tratativas ganham força com a ida do senador Ciro Nogueira (PP-PI), ex-comandante do PP, para a Casa Civil, o ministério mais importante do governo federal – o próprio Bolsonaro afirmou que entregou “a alma do governo” ao líder do Centrão. “Na Casa Civil, o senador Ciro terá relação diária com a Presidência, os laços se estreitam. A vinda do presidente acarretaria aumento do partido em seu projeto eleitoral”, disse Fufuca à Jovem Pan. Reservadamente, porém, correligionários de Fufuca defendem que o Progressistas use a fatia do fundo eleitoral a que tem direito priorizando a expansão das bancadas na Câmara dos Deputados e no Senado Federal – atualmente, a sigla tem 41 deputados e sete senadores. Considerando o valor de R$ 5,7 bilhões do Fundão, aprovado pelo Congresso antes do recesso parlamentar, o partido receberia cerca de R$ 384 milhões, segundo cálculos de consultores legislativos do Senado. “Temos duas situações, uma do presente e outra pensando neste futuro hipotético. Hoje o partido mira o crescimento da bancada, o crescimento do partido. Somos o terceiro maior partido do país e temos a perspectiva de crescer, nos tornarmos o primeiro do país em 2022. Mas é claro que, se Bolsonaro vier, a prioridade passa a ser a eleição do presidente, sem dúvidas. Mas não tem como fazer uma projeção faltando mais de um ano para o pleito”, pondera o novo presidente do PP.

As principais resistências ao chefe do Executivo vêm do Nordeste. Na Bahia, por exemplo, o vice-governador, João Leão, deputado federal por cinco mandatos, é filiado ao PP. O governador baiano é Rui Costa, do PT. No Ceará, a legenda é presidida pelo deputado federal AJ Albuquerque, filho de Zezinho Albuquerque, atualmente filiado ao PDT e aliado histórico dos irmãos Ciro e Cid Gomes. O Estado é comandado pelo governador Camilo Santana, também do PT. Neste cenário, os pepistas avaliam que é “praticamente impossível” que o comando dos diretórios regionais seja transmitido para o clã Bolsonaro. Há, porém, um aspecto que pode beneficiar o presidente da República: tradicionalmente, as alianças locais não interferem nos acordos costurados a nível nacional. Ou seja, ao mesmo tempo em que compõe a base aliada do governo federal no Congresso Nacional – o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e o líder do governo na Casa, Ricardo Barros (PP-PR), são da legenda –, o Progressistas se alia a partidos de oposição ao Palácio do Planalto em outros Estados.

Sanções do TSE e barreiras em outros partidos

Por fim, há um terceiro fator: nas últimas semanas, Bolsonaro tem feito críticas às urnas eletrônicas, ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em conversas reservadas, dirigentes partidários temem sofrer sanções do TSE caso o bolsonarismo, uma vez abrigado, mantenha o confronto com os tribunais. Embora componham a base de apoio ao governo, as legendas de centro afirmam que não querem ser associadas a um discurso que atente contra as instituições e a higidez do sistema de votação do país.

Bolsonaro se desfiliou do PSL no dia 12 de novembro de 2019. Ato contínuo, tentou criar o seu próprio partido, o Aliança Pelo Brasil, mas a iniciativa fracassou. Desde então, em um roteiro atípico, o presidente da República está há mais de 630 dias buscando uma legenda. Em quase dois anos, encontrou barreiras em pelo menos três legendas: a ala ligada ao presidente do PSL, Luciano Bivar, trabalha para viabilizar o nome do apresentador José Luiz Datena ao Palácio do Planalto; o Patriota, que abrigou o senador Flávio Bolsonaro, sofreu um racha interno após mudanças estatutárias feitas para abrigar o mandatário do país; no Republicanos, que já filiou Flávio e é a atual legenda do vereador Carlos Bolsonaro, a possibilidade é rechaçada pela cúpula partidária. Como o mandatário do país precisa de uma legenda para disputar as eleições de 2022, partidos de menor porte seguem no seu radar: o PTB, de Roberto Jefferson, e o PRTB, partido do vice-presidente Hamilton Mourão, negociam com a equipe de Bolsonaro e se dizem de braços abertos para recebê-lo.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 8 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 8 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“. Confira aqui o artigo.The post Publicação de Larissa Ross no Migalhas...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *