Sem voto impresso, auditoria paralela é alternativa para contestar resultado das eleições

Postado em 9 de agosto de 2021

Diante da possibilidade de que a Câmara dos Deputados barre a adoção do voto impresso nas próximas eleições, partidos e candidatos vão ter que recorrer a auditorias próprias se quiserem questionar a apuração. O relatório da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que mudaria o sistema de votação foi rejeitado na semana passada na comissão especial sobre o tema. O presidente Arthur Lira ainda pode levar a decisão ao plenário da Casa, mas as chances de aprovação são pequenas remotas. Segundo o advogado especialista em direito eleitoral, Alberto Rolo, sem voto impresso a legislação prevê que o candidato providencie uma auditoria paralela. “Cada partido, cada candidato pode contratar uma auditoria paralela, que pode abranger as 600 mil urnas, se for o caso da eleição presidencial. Então vai fazer a mesma coisa: pegar os boletins de urna e vai somar, o resultado tem que bater com o que foi divulgado pelo Tribunal Superior Eleitoral“, afirma. A advogada constitucionalista Vera Chemim explica que os recursos vão aos Tribunais Regionais e depois ao TSE. “Os mesmos partidos, coligações e candidatos poderão colocar um recurso especial junto ao Tribunal Superior Eleitoral que, finalmente, julgará em caráter definitivo”, aponta. De acordo com a PEC do voto impresso, as urnas eletrônicas continuariam sendo usadas, mas um comprovante seria emitido após cada voto. Esses papéis ficariam armazenados em uma recipiente lacrado e não iriam para as mãos do eleitor, mas seriam usados para auditoria.

*Com informações do repórter Vitor Brown

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 9 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 9 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“....

Artigos Relacionados

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

Três meses depois da aprovação de sua convocação, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, depõe nesta terça-feira, 21, à CPI da Covid-19. A oitiva deve ser marcada por uma espécie de guerra de narrativas entre senadores governistas e membros...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *