Rodrigo Pacheco é contra ressuscitar a PEC do voto impresso no Senado

Postado em 12 de agosto de 2021

Em votação no plenário, o ministro do Tribunal de Contas da União, Bruno Dantas, reiterou que a urna eletrônica é “segura e auditável”. Ele acompanhou as conclusões da auditoria realizada para verificar a segurança do sistema eleitoral. O mesmo documento da área técnica do TCU aponta que o voto impresso é mais caro, demorado e suscetível a fraudes. Os auditores analisaram todas as etapas da votação, desde a conferência das urnas até a totalização de votos. Foram utilizadas como parâmetro as eleições gerais de 2018 e as municipais de 2020. Bruno Dantas destacou que a auditoria concluiu que existem vários meios que permitem a avaliação do processo de votação e apuração das urnas. “Para conferir transparência a todo o processo, a auditoria de funcionamento das urnas eletrônicas é filmada pela Justiça eleitoral ou por empresa contratada e transmitida pela internet.”

A análise do processo no plenário do TCU foi interrompida por um pedido de vista de 60 dias do ministro Jorge Oliveira, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro. Após a rejeição da PEC do voto impresso, defensores da ideia ainda discutem o que fazer. Em entrevista ao programa os Pingos nos Is, o deputado Major Vitor Hugo, líder do PSL, disse que parlamentares aliados estão se mobilizando para pedir a abertura de uma CPI que investigue a urna eletrônica. “Checar aquilo que foi divulgado como vulnerabilidade das urnas por meio dos dados que foram apontados pelo presidente da República e pelo deputado Filipe Barros. E importante, sim, que a gente averigue mais. Ficou claro para o país que há, sim, vulnerabilidade no sistema.” Com a rejeição da proposta pelos deputados, aliados do governo passaram a considerar a possibilidade de retomar a discussão de uma PEC, aprovada pela Câmara e parada na casa desde 2015.

Ela prevê, entre outros pontos, o voto impresso auditável na urna eletrônica. O movimento não conta com o apoio do comando da Casa. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse nesta quarta que não cabe ao Senado deliberar sobre voto impresso após a Câmara ter rejeitado a PEC. “Considero que esse pronunciamento da Câmara em relação a esse tema torna definitiva e resolvida essa questão, não cabendo ao Senado qualquer tipo de deliberação ou tramitação de uma matéria com o mesmo objeto em função da decisão da Câmara dos Deputados.” O resultado da votação da PEC foi marcada por traições às orientações partidárias, contrárias a mudança na urna. O PSDB, por exemplo, está avaliando a possibilidade de punir os 14 deputados federais que descumpriram a determinação da sigla de votar contra o voto impresso.

*Com informações da repórter Camila Yunes 

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 12 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 12 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“....

Artigos Relacionados

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

Três meses depois da aprovação de sua convocação, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, depõe nesta terça-feira, 21, à CPI da Covid-19. A oitiva deve ser marcada por uma espécie de guerra de narrativas entre senadores governistas e membros...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *