José Aníbal diz que mais deputados do PSDB eram a favor do voto impresso: ‘Tenho vergonha’

Postado em 14 de agosto de 2021

O senador José Aníbal (PSDB), suplente que assumiu a vaga de José Serra, licenciado por motivos de saúde do Congresso, conversou com o “Jornal da Manhã“, da Jovem Pan, na manhã deste sábado, 14. Ele falou sobre a forma como trabalhará pelos próximos quatro meses na Casa, período pelo qual Serra ficará afastado, e disse que fará o que sempre fez na política. “Trabalho com convicção, com compromissos, procuro focar nas questões que são mais relevantes para a sociedade e para as pessoas e nas questões relativas ao desenvolvimento do estado cada vez mais eficiente, menos gastador, mais capaz de servir do que de se servir da população”, disse. Ele considerou que a decisão de saída do tucano para se tratar foi essencial para que ele retomasse os trabalhos em segurança em dezembro.

O político disse que trabalharia voltado para os projetos deixados por Serra, um deles trata de ferrovias no país e outro é relacionado a quebras de patentes para propiciar a queda de preços de medicamentos. “Também vou trabalhar sobre várias outras questões, questão de educação, sobretudo na área de qualificação, especialmente para os nossos jovens de 16 a 24 anos. É uma tragédia o Brasil rifar, perder mais uma geração por falta de qualificação. Isso é possível fazer, está ao alcance da nossa mão, sem custos excessivos”, estimou, citando a adaptação das novas gerações para a “quarta revolução robótica” no mundo. O senador também citou os desafios políticos que o país enfrenta hoje como algo que é relevante. “Há impacto de toda a natureza sobre o parlamento, inclusive matérias que estão sendo votadas, e eu trabalho fortemente sobre elas para que elas não sejam apenas uma adequação para beneficiar a representação política, parlamentar, mas que sejam matérias que propiciem à sociedade brasileira um acesso efetivo ao parlamento”, pontuou.

Para Aníbal, os 12 senadores tucanos que votaram a favor do voto impresso foram “a favor da aventura autocrática e ditatorial” de Bolsonaro e devem sofrer algum tipo de punição por terem desobedecido as ordens do PSDB. “Fizemos uma reunião naquele dia de manhã e eu propus, e conseguimos vencer, o voto fechado. O voto fechado é um voto que obriga, pelo menos deveria obrigar o parlamentar a votar contra o voto impresso, foi um avanço, eu tenho até vergonha de dizer isso, nós termos tido 12 votos contra o voto impresso, nós tínhamos mais parlamentares que por insuficiência de informação, ou alguma outra razão, que não conseguiram nenhum deles me explicar, a favor do voto impresso. O voto impresso é mais uma manobra do Bolsonaro para tentar dificultar, melar, tumultuar o processo eleitoral”, disse. Ele afirmou que todos os parlamentares querem a transparência do processo eleitoral, mas considerou que o presidente “conspira” contra o processo eleitoral.

Ele considerou o distritão como uma “barbárie” e se declarou satisfeito com o fato de que ele foi rejeitado, mas criticou a aprovação das coligações. “Elas são também um mecanismo de pouca transparência porque permite essa promiscuidade partidária, favorece a existência de pequenos partidos que nunca têm candidatos majoritários, mas se coligam com partidos que têm candidatos majoritários, que têm fundos partidários e elegem algumas pessoas, mas não têm compromisso nenhum do ponto de vista programático, são partidos de ocasião”, lamentou. O senador afirmou que a votação foi um retrocesso e que a aprovação dela revela pessoas que “legislam em causa própria, não em função da cidadania”.

Confira o “Jornal da Manhã” deste sábado 14, na íntegra:

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 14 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 14 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“. Confira aqui o artigo.The post Publicação de Larissa Ross no Migalhas...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *