Prisão de Roberto Jefferson é mantida após audiência de custódia

Postado em 14 de agosto de 2021

A prisão do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, foi mantida após audiência de custódia realizada neste sábado, 14. A defesa do ex-deputado federal, preso no âmbito do inquérito que investiga a atuação de “milícias digitais” que atentam contra o Estado democrático de direito, pediu a mudança para o regime domiciliar, mas o juiz instrutor Airton Vieira entendeu que a detenção preencheu os requisitos previstos na legislação e argumentou que caberá ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), analisar o caso. Segundo a ata da reunião, obtida pela Jovem Pan, Jefferson fez ironias, alegou problemas de saúde e disse estar “jurado de morte”.

Questionado se havia sido bem tratado pelos policiais federais, Jefferson afirmou que “não houve nenhum desrespeito”. Neste momento, porém, ele disse que precisou “aturar três flamenguistas na viagem, sendo eu botafoguense”. “Indagado acerca das circunstâncias da prisão, disse o seguinte: não houve nenhum problema com a minha prisão e não tenho nenhuma reclamação. Só tive que aturar três flamenguistas na viagem, sendo eu botafoguense. Não tenho nada a acrescentar, fui muito bem tratado, não houve nenhum desrespeito”, diz um trecho da ata.

Em outro momento, questionado sobre suas condições de vida, o ex-deputado federal afirmou: “casado, possui 3 filhos, 6 netos, político, presidente nacional do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), não possui vícios, não bebe e não fuma, ‘dou uma por semana quando Deus me ajuda’, possui doenças crônicas, câncer, tendo sido internado mais de 20 (vinte) vezes, e trata de infecção renal, faz uso de vários remédios de uso contínuo, possui cirurgia de stent marcada para daqui alguns dias, não possui aplicações, possui cerca de 6 (seis) mil reais em conta corrente, não possui poupança, reside no imóvel de sua esposa”.

O advogado de Jefferson, Luiz Gustavo Pereira da Cunha, solicitou que ele fosse transferido para prisão domiciliar, em razão do estado de saúde do cacique do PTB. O defensor também afirmou que o ex-parlamentar estaria “jurado de morte” por várias facções, razão pela qual permanecer preso poderia representar um risco de vida. Ao final da audiência, o juiz Airton Vieira determinou que os autos fossem enviados a Alexandre de Moraes, para que o ministro avalie a conversão do regime. “Sigam os autos para o senhor ministro relator, para que possa apreciar a questão ora requerida, vale dizer, conversão da prisão preventiva em prisão domiciliar do custodiado Roberto Jefferson”, escreveu.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 14 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 14 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“....

Artigos Relacionados

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

Três meses depois da aprovação de sua convocação, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, depõe nesta terça-feira, 21, à CPI da Covid-19. A oitiva deve ser marcada por uma espécie de guerra de narrativas entre senadores governistas e membros...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *