Auditor do TCU afirma que ‘estudo paralelo’ foi adulterado após ser repassado a Bolsonaro

Postado em 17 de agosto de 2021

Em seu depoimento à CPI da Covid-19, o auditor do Tribunal de Contas da União (TCU) Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques confirmou que o “estudo paralelo” que ele elaborou sobre mortes causadas pela Covid-19 foi editado e adulterado depois que o documento foi encaminhado por seu pai, Ricardo Silva Marques, coronel do Exército, ao presidente Jair Bolsonaro. Aos senadores, o servidor do TCU disse que não pode afirmar quem realizou as alterações, mas acrescentou que considerou “irresponsável” a atitude do chefe do Executivo federal de divulgar e atribuir ao TCU a autoria de um material “inconclusivo” – no dia 7 de junho deste ano, Bolsonaro disse a apoiadores, em conversa na saída do Palácio da Alvorada, que tinha recebido um relatório que indicava a supernotificação de óbitos.

De acordo com a versão de Alexandro Figueiredo, ele redigiu um “arquivo em word”, no dia 31 de maio, e disponibilizou o “arrozoado de informações” na plataforma Microfost Teams, para “gerar um debate” com os colegas de trabalho sobre o repasse de recursos públicos a Estados e municípios. Desde o início da pandemia, Bolsonaro e seus apoiadores passaram a divulgar a tese de que gestores inflaram números de pacientes internados e de vítimas da Covid-19 para receberem mais recursos da União. “Só a Cristiane, coordenadora do trabalho, conversou por chat comigo [no Microsoft Teams]. Chegamos à conclusão de que seria impossível haver conluio para deliberadamente supernotificar os casos”, disse.

Ainda segundo o auditor do TCU, ele repassou o estudo a seu pai, Ricardo Silva Marques, através do aplicativo de mensagens de WhatsApp, no dia 6 de junho. O coronel reformado do Exército, que foi colega de Bolsonaro na Academia Militar dos Agulhas Negras (AMAN), encaminhou a mensagem ao presidente da República. No dia seguinte, o mandatário afirmou a apoiadores que aproximadamente 50% das mortes não tiveram o vírus como motivo principal. “O discurso do presidente foi totalmente irresponsável. A minha indignação foi por ter sido atribuída ao TCU a responsabilidade por um documento que não era do TCU. Eu achei irresponsável”, disse Alexandre. “O documento foi usado indevidamente pelo fato de se atribuir ao TCU um arquivo de 2 páginas, inconclusivo, que não era um documento oficial”, acrescentou.

Os senadores da CPI da Covid-19 reagiram com indignação às informações repassadas pelo auditor do TCU à comissão. Presidente do colegiado, Omar Aziz (PSD-AM), disse que o pai do depoente quis “bajular o presidente”. “O seu trabalho em nada serviu para o Brasil, em nada contribuiu com a dor das pessoas. Você estava procurando uma justificativa para o presidente da República. Isso não nasceu da sua cabeça. Não é possível que você vai fazer um estudo para saber se o número de óbitos era verdadeiro ou não. Não adianta chegar aqui e justificar. Esse trabalho que você fez não contribuiu em nada, apenas desmereceu o trabalho de servidores da saúde que tentaram salvar vidas de milhares de pessoas que, lá no meu Estado, morreram sem oxigênio. Como servidor, o senhor fez um desserviço à nação brasileira e às família enlutadas”, disse. Para o vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o governo federal insistiu em uma “obsessão macabra”, ao tentar minimizar os efeitos da crise sanitária. O parlamentar da Rede também acrescentou que Bolsonaro pode ser enquadrado no artigo 297 do Código Penal, que versa sobre a falsificação de documento público. “Agora temos a digital do presidente, a materialidade de crimes cometido por vídeos, por falas, pelo WhatsApp”, ponderou Simone Tebet (MDB-MS), líder da bancada feminina no Senado.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 17 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 17 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Homenagem da UFPR à memória do Professor René Dotti

A Universidade Federal do Paraná, por sua Faculdade de Direito, Programa de Pós-Graduação em Direito e o Departamento de Direito Penal e Processual Penal, homenagearão a memória do Professor Titular...

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *