Empresário admite que chegou a Queiroga por Barros mas nega que tenha tido ‘facilitador político’

Postado em 24 de agosto de 2021

Em seu depoimento à CPI da Covid-19, o dono da Belcher Farmacêutica, Emanuel Catori, admitiu que participou de uma reunião com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a convite do líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), mas negou que sua empresa tenha tido um “facilitador político” na relação com o governo do presidente Jair Bolsonaro. A Belcher tem sede em Maringá, no Paraná, reduto eleitoral de Barros, e ofereceu 60 milhões de doses da vacina Convidencia ao Ministério da Saúde. Mesmo amparado por uma decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que lhe garantiu o direito de permanecer em silêncio em perguntas que pudessem incriminá-lo, o empresário respondeu à maioria dos questionamentos.

A reunião citada ocorreu no dia 15 de abril deste ano. A princípio, o encontro seria entre Ricardo Barros e Marcelo Queiroga. No entanto, além do CEO da Belcher, participaram da agenda Paulo Diniz, CEO da Lifemed; Elcemar Almeida, representante da Vaxxinity; Luis Carlos Nardi, diretor do Hospital Santa Rita de Maringá; e Júlio Felix, representante do laboratório Hilab. Aos senadores, Emanuel Catori disse que não tratou sobre a venda de vacinas para o Ministério da Saúde porque sua empresa só se tornou representante legal da CanSino no Brasil quatro dias depois, em 19 de abril – o laboratório japonês rompeu com a Belcher em junho, alegando motivos de compliance. “Eu não poderia falar sobre a CanSino, porque eu ainda não estava autorizado a falar sobre a vacina”, disse. Em seu tempo de exposição, porém, o senador Rogério Carvalho (PT-SE), suplente da comissão, afirmou que a CPI tem documentos que comprovam que, em março, Belcher e Cansino apresentaram à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) um plano oficial para a importação de vacinas destinadas ao setor privado.

Para os senadores, o episódio reforça a influência de Ricardo Barros dentro do Ministério da Saúde e é mais um exemplo de que o governo Bolsonaro priorizou a negociação para a compra de vacinas com intermediários. “Essa fotografia [da reunião de 15 de abril] é uma fotografia de corpo inteiro, né? Do estilo, do modus operandi do governo que, enquanto recusava os contatos com a Pfizer, com o Butantan, com a OMS, preferia priorizar a Davati, o Dominguetti, o Ricardo Barros. É por isso que nós chegamos a essa situação no Brasil enquanto os brasileiros morriam e continua a morrer”, disse o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL). “A escolha da Belcher não se deu por acaso. Ela foi trabalhada e intermediada por pessoas de dentro do governo. Foi uma atuação política para promover esse casamento entre Ministério da Saúde, Belcher e CanSino”, acrescentou o senador Humberto Costa (PT-PE).

O presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), criticou o envolvimento de Barros em tratativas relacionadas à compra de vacinas mesmo após o episódio no qual, segundo o deputado Luis Miranda (DEM-DF), o líder do governo na Câmara foi apontado pelo presidente Jair Bolsonaro como “dono do rolo” feito para garantir a importação da Covaxin – Miranda e seu irmão, Luis Ricardo, se reuniram com o mandatário do país, no dia 20 de março, no Palácio da Alvorada, para denunciar irregularidades no processo envolvendo o imunizante indiano. “Mesmo alertado, Ricardo Barros continua operando dentro do governo como se nada tivesse acontecido. É como dizem lá na minha região: esse aí tem coragem de mamar em onça. Além de ser um tucunarezão, tem coragem de mamar em onça”, ironizou.

Em mais de um momento da sessão, Catori se negou a responder quanto a Cansino receberia pela assinatura do contrato de 60 milhões de doses (R$ 5 bilhões) e que parcela deste montante seria repassada à Belcher. O CEO da farmacêutica brasileira também não explicou com detalhes porque o imunizante, de dose única, custaria 70% a mais do que a vacina da Janssen, também de dose única. O empresário se limitou a dizer que neste preço ofertado ao Ministério da Saúde estavam incluídos os valores da logística de importação e o frete.

Outro ponto bastante explorado na oitiva desta terça-feira, 24, foi o envolvimento de Catori com Carlos Wizard e Luciano Hang, dono da Havan. O dono da Belcher Farmacêutica participou de lives para discutir a aquisição de vacinas para o setor privado, iniciativa apoiada pelos empresários. Aos senadores, o depoente disse sua empresa gostaria de comprar imunizantes para poder doá-los ao Sistema Único de Saúde (SUS), como previa a lei 14.125. A iniciativa privada só poderia aplicar as doses em seus colaboradores depois que todo o grupo prioritário fosse imunizado. Porém, em uma das transmissões ao vivo, da qual Emanuel participou, Hang chama o dispositivo de “jaboticaba brasileira” – a ideia de algumas empresas era comercializar as doses diretamente com clínicas privadas.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 24 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 24 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“. Confira aqui o artigo.The post Publicação de Larissa Ross no Migalhas...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *