PGR pede fim de indiciamento de Calheiros e STF afasta delegado que investiga Bolsonaro

Postado em 28 de agosto de 2021

A Procuradoria Geral da República encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer contrário ao indiciamento do senador Renan Calheiros pela Polícia Federal. O senador é alvo do inquérito que apura o suposto recebimento de um R$ 1 milhão em propina da Odebrecht em 2012. Segundo a Polícia Federal, Renan Calheiros teria recebido doações indevidas da empreiteira, por isso foi indiciado pelos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro. A defesa do senador acusa o delegado responsável pela investigação de abuso de autoridade. No parecer, a PGR informa que vai notificar o Ministério Público pra verificar se houve ou não esse abuso e determinou também que o indiciamento seja suspenso. A avaliação da PGR é que não cabe indiciamento pela Polícia Federal quando o investigado tem o chamado foro privilegiado no Supremo. Agora dentro do STF, no entanto, a tese gera muita polêmica e alguns ministros avaliam que é possível, sim, que a Polícia Federal indicie políticos investigados. Na semana que vem, a 2ª turma do Supremo vai analisar recurso do Ministério Público do Rio contra a decisão que concedeu o chamado foro privilegiado ao Senador.

Em outra outra frente, o ministro Alexandre de Moraes decidiu ontem afastar o delegado Filipe Leal, que era responsável pelo inquérito que apura denúncia de uma suposta interferência indevida do presidente Jair Bolsonaro nas ações da Polícia Federal. Segundo Moraes, o delegado teria extrapolado suas funções ao investigar atos do atual diretor-geral da corporação. O delegado havia pedido dados referentes à decisão do direto que determinou a retirada de Alexandre Saraiva da Superintendência da Polícia no Amazonas. O que se comenta também é que o delegado teria solicitado cópias de eventuais apurações abertas para identificar se o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República orientou a defesa do senador Flávio Bolsonaro, supostamente acusado de fazer parte de um esquema que ficou conhecido como rachadinhas.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 28 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 28 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“....

Artigos Relacionados

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

Três meses depois da aprovação de sua convocação, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, depõe nesta terça-feira, 21, à CPI da Covid-19. A oitiva deve ser marcada por uma espécie de guerra de narrativas entre senadores governistas e membros...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *