Justiça autoriza quebra de sigilo bancário e fiscal de Carlos Bolsonaro

Postado em 31 de agosto de 2021

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) autorizou a quebra de sigilo bancário e fiscal do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). O pedido foi feito pelo Ministério Público à Justiça do Rio e deferido no dia 24 de maio. O caso tramita na 3ª Promotoria de Justiça de Investigação Penal Especializada do Núcleo Rio de Janeiro, em segredo de Justiça, e outras 26 pessoas e sete empresas também tiveram os sigilos quebrados. Carlos é investigado desde julho de 2019 sob suspeita de praticar “rachadinhas” e nomear funcionários fantasmas em seu gabinete na Câmara Municipal. Segundo informações do G1, o MP identificou que o vereador utilizou grandes quantias de dinheiro vivo durante o mandato e cita alguns episódios. Em 2003, pagou R$ 150 mil em espécie na compra de um apartamento na Barra da Tijuca. Em 2009, o filho do presidente entregou R$ 15,5 mil em dinheiro vivo para cobrir um prejuízo na bolsa de valores. No pedido de quebra de sigilo, os promotores também citam a existência de um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que teria indicado duas movimentações suspeitas nas contas do vereador.

Em nota enviada à Jovem Pan, a defesa de Carlos Bolsonaro afirmou que soube da quebra de sigilo pela imprensa e ainda não teve acesso aos autos. “A aquisição do imóvel localizado na Tijuca já foi objeto de análise pelo MP no IC 3191 e foi arquivado, em 2005, após análise das informações financeiras que demonstravam a total compatibilidade com os rendimentos à época. A quantia utilizada em 2009, para pagamento de uma despesa pessoal, também, está absolutamente compatível com os rendimentos do vereador. Assim como os valores devidamente declarados a Justiça Eleitoral no ano de 2020”, disse o advogado Antônio Carlos Fonseca. “Por fim, com relação ao relatório do COAF, a defesa não teve acesso ao documento para verificar o seu conteúdo, no entanto o vereador permanece à disposição para prestar qualquer tipo de esclarecimento as autoridades”, completou. Questionado se iria recorrer da decisão, o advogado disse que “a questão principal agora não é se cabe ou não recurso. Somente após tomar conhecimento do conteúdo é que vamos avaliar o que será feito.”

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 31 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 31 de agosto de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“. Confira aqui o artigo.The post Publicação de Larissa Ross no Migalhas...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *