‘Polícia Militar não deve participar de um ato que procura a ruptura do sistema constitucional’, diz procurador

Postado em 5 de setembro de 2021

O procurador-geral de Justiça de São Paulo, Mário Sarrubbo, emitiu, no sábado, 4, uma recomendação à Secretaria de Estado de Segurança Pública de São Paulo para que esta determine aos comandantes da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar que adotem todas as medidas para “prevenir, buscar, e se for o caso, fazer cessar, inclusive por meio da força” qualquer manifestação político-partidária promovida por policiais militares da ativa. A procuradoria ainda recomendou a instauração de procedimentos administrativos. Em entrevista ao Jornal da Manhã, Sarrubbo explica que a participação em um ato político-partidário é vedada para determinadas carreiras de Estado, notadamente para Polícia Militar.

“Essa manifestação convocada para o dia 7 de setembro se apresenta, muitas vezes, como um ato que procura a ruptura do sistema constitucional atual. É uma manifestação partidária, ideológica e o policial militar não pode e não deve participar. Uma coisa é comemorarmos o 7 de setembro, o dia da independência. Outra é um protesto pedindo pelo fechamento do Supremo Tribunal Federal. Isso nós não podemos permitir. Daí a nossa recomendação para o governo do Estado, em especial para a Secretaria de Segurança Pública, para que tivessem essa cautela e tomassem providências para que os policias exerçam sua função: conferir segurança pública”, argumenta o procurador. Ele argumenta que a recomendação não se trata de perda de cidadania ou de liberdade. “Foi impetrado um habeas corpus na Justiça Militar no Estado de São Paulo para que os policias pudessem participar dessas manifestações. Mas existe uma regra. Quando se opta por essa carreira de policial militar, há vedações que precisam ser notadas, principalmente nesse momento de grande instabilidade do país”, argumenta.

Sarrubbo ainda lembra que a Polícia Militar é uma corporação armada detentora da “força”. “A Polícia Militar e Civil, assim como o Exército, são as instituições que mantém o monopólio da força no Estado. Toda vez que há um determinado crime, a Lei autoriza a utilização da força para se impedir a ocorrência, a consumação desse crime. É crime militar o policial participar de manifestações, é crime militar o policial incitar manifestações políticas”, afirma. Durante o 7 de setembro, os agentes que participarem dos atos poderão ser punidos. “Se encontramos policiais e grupos policias à paisana, isso pode ser reportado a qualquer policial militar que estiver acompanhando a manifestação. O PM deve comunicar a infração ao comando, que tomará as providências para impedir que isso efetivamente ocorra”, explica. Segundo Sarrubbo, existem vários crimes no código penal militar, sendo o mais grave deles a incitação à prática de manifestações de cunho político-partidário. Os crimes podem ser punidos com reclusão inafiançável.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 5 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 5 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Homenagem da UFPR à memória do Professor René Dotti

A Universidade Federal do Paraná, por sua Faculdade de Direito, Programa de Pós-Graduação em Direito e o Departamento de Direito Penal e Processual Penal, homenagearão a memória do Professor Titular...

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *