Deputado diz que impeachment de Bolsonaro não passa na Câmara: ‘Nem metade dos votos’

Postado em 8 de setembro de 2021

O deputado federal, Guilherme Derrite (PP-SP), avalia que, mesmo após o discurso mais acalorado do presidente Jair Bolsonaro durante o 7 de setembro, o impeachment do chefe do Executivo não deve passar na Câmara. Em entrevista ao Jornal da Manhã, o parlamentar afirmou que os atos e falas de Bolsonaro não devem aumentar a tensão, que já estava alta, entre os Poderes. “Essa temperatura vem sendo aumentada desde o início do governo do presidente Bolsonaro. Agora a gente precisa avaliar e dizer quem são os responsáveis por esse aumento da temperatura”, iniciou Derrite. “É claro que os discursos de terça-feira foram um pouco mais acalorados, mas a realidade é que nós estamos lutando pela democracia, para que não haja mais interferência entre os Poderes, para que eles de fato cumpram o que está na Constituição e para que possam trabalhar de maneira harmônica. Quando se fala de interferência, quem mais sofreu interferência desde o início foi o presidente Bolsonaro”, aponta o deputado, que acredita que o o Judiciário e Legislativo devem ouvir o povo. “Independente do poder da República, o que todos eles devem fazer é ouvir a voz do povo. O povo não aguenta mais. Se não fosse isso, milhões de brasileiros não teriam ido às ruas ontem”.

Após as declarações do presidente, alguns partidos como o PDT, PSD e PSDB começaram a ventilar a possibilidade de apoiar o impeachment de Bolsonaro. O vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), fez coro à abertura do processo. “Não tenho dúvidas de que qualquer ato de violência contra o Congresso ou o STF em ato que teve a participação do Presidente da República tornará inevitável a abertura do processo de impeachment”, escreveu Ramos. Derrite, por sua vez, acredita que a fala do vice-presidente da Casa não passa de “populismo” e não vê condições para a aprovação de um impedimento. “Eu vejo isso como um populismo por parte do deputado, que tenta jogar com a sua base no Amazonas, que está muito desgastada em virtude do enfrentamento dele contra o governo federal”,diz. “Quando se fala em impeachment de um presidente da República, nós precisamos ter dois fatos atrelados. O primeiro deles é crime de responsabilidade, eu não vejo nenhum por parte do presidente. O segundo é o ambiente político. Esse eu vejo menos ainda, porque são necessários 342 votos de deputados e não chega nem a metade disso”, afirma o parlamentar.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 8 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 8 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“....

Artigos Relacionados

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

Três meses depois da aprovação de sua convocação, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, depõe nesta terça-feira, 21, à CPI da Covid-19. A oitiva deve ser marcada por uma espécie de guerra de narrativas entre senadores governistas e membros...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *