‘Problema é saber até quando interessa ao Centrão manter o Bolsonaro’, diz jurista sobre impeachment

Postado em 9 de setembro de 2021

O jurista e ex-ministro da Justiça no governo Fernando Henrique Cardoso, Miguel Reale Júnior, considera que já há mais de crime de responsabilidade que justifique o impeachment do presidente Jair Bolsonaro, mas acredita que pedidos não devem passar enquanto o Centrão apoiar o chefe do Executivo. Em entrevista ao Jornal da Manhã, o advogado, que foi um dos autores do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, afirma que, apesar da grande quantidade de apoiadores, o único motivo de Bolsonaro ainda estar no poder é o apoio político. “Teve essa manifestação na Paulista, que foi sem dúvida grande, mas ela não é suficiente para impedir um impeachment. O que impede o impeachment nesse instante é um problema de ordem política, saber até quando interessa ao Centrão manter ou não o Bolsonaro”, analisa Reale.

“Se dispõe no Artigo 85º que constitui crime de responsabilidade o desrespeito a decisões constitucionais. E, mais especificamente, se estabelece no Artigo 6º, numero 5, da Lei 1069/1950 do impeachment que afrontar diretamente o Judiciário impedindo que ele seja livre em suas decisões é um crime de responsabilidade. Também é crime fazer ameaça para que uma determinada sentença seja modificada ou para que determinada orientação seja tomada de forma diferente daquela que foi adotada pelo Judiciário”, explica o jurista. “Portanto, já há fatos que configuram tecnicamente o impeachment. O problema é todo, sem dúvida, de ordem política”, acrescenta. Para o ex-ministro da Justiça, a conduta do presidente da República durante a pandemia já é o suficiente para se estabelecer um crime de responsabilidade. “Nós estamos finalizando o trabalho da comissão que analisa documentos sobre a Covid-19 no Brasil e também está se concluindo o crime de responsabilidade do presidente na pandemia.”

‘Bolsonaro precisa da fake news para sobreviver politicamente e mobilizar’

Miguel Reale Júnior aponta que, apesar das manifestações do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), ao 7 de setembro terem sido menos enfáticas do que a do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, elas mostram uma separação bem nítida de lados. “Houve uma separação bem nítida. O Brasil, suas instituições políticas e a sociedade organizada de um lado e o bolsonarismo do outro”, diz o jurista, que acredita que o presidente continuará com o mesmo discurso contra o STF, o ministro Alexandre de Moraes e em defesa da “liberdade de expressão. “Eu acredito que vai continuar, porque qual é a tônica dessas manifestações? O presidente atacando o Supremo, especialmente Alexandre de Moraes, porque ele conduz os processos que visam a apuração das fake news. Coincide com essa manifestação o fato do presidente ter vetado o artigo que constituía crime a remessa em massa de fake news e notícias falsas. Quando ele vetou essa norma criminalizadora de fake news, ele viabilizou a fake news, deu condições para que elas não sejam retiradas das plataformas”, explica. “Ou seja, ele vai continuar com os ataques, porque o objetivo dele é manter a fake news. Ele foi eleito pela fake news, ele precisa da fake news para sobreviver politicamente e mobilizar as redes sociais”, enfatiza o ex-ministro, que criticou a fala do presidente no 7 de setembro. “Ele fez um discurso para ele mesmo. O Brasil não existia. Com todos os problemas graves que o Brasil tem pela frente, o presidente da República ignora totalmente as questões que estão deixando o povo brasileiro desesperado, porque ele precisa proteger o seu grande instrumento de trabalho eleitoral, que é a fake news”, finaliza.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 9 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 9 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“. Confira aqui o artigo.The post Publicação de Larissa Ross no Migalhas...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *