Relator da ação no STF, Fachin vota contra marco temporal para demarcação de terras indígenas

Postado em 9 de setembro de 2021

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou contra o marco temporal para demarcação de terras indígenas nesta quinta-feira, 9. Se aprovada, a tese estabelece que os povos indígenas só podem reivindicar a demarcação em terras já ocupadas por eles antes da promulgação da Constituição de 1988. Fachin, que é relator da ação, ressaltou que para os indígenas as terras não tem valor comercial e que a Constituição reconhece a eles o direito aos territórios. O ministro também lembrou que muitos foram expulsos de suas terras mesmo antes de 1988. “Autorizar, à revelia da Constituição, a perda da posse das terras tradicionais por comunidade indígena, significa o progressivo etnocídio de sua cultura, pela dispersão dos índios integrantes daquele grupo, além de lançar essas pessoas em situação de miserabilidade e aculturação, negando-lhes o direito à identidade e à diferença em relação ao modo de vida da sociedade envolvente”, afirmou.

O marco temporal está em pauta no STF desde o dia 26 de agosto, mas teve as sessões suspensas quatro vezes. Fachin foi o primeiro a votar nesta quinta. Antes do parecer dos outros ministros, o presidente da Corte, Luiz Fux, determinou um intervalo. O voto do relator representa uma vitória para os indígenas, que estão acampados em Brasília há algumas semanas para protestar contra o marco. Já o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se posicionou a favor da tese. Ele alega que, sem o marco temporal, o número de terras demarcadas vai aumentar – o que, segundo ele, prejudicaria o agronegócio.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 9 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 9 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“. Confira aqui o artigo.The post Publicação de Larissa Ross no Migalhas...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *