Tolentino se cala sobre relação com o FIB Bank, mas nega ser sócio oculto da empresa

Postado em 14 de setembro de 2021

Em seu depoimento à CPI da Covid-19, o advogado Marcos Tolentino se calou sobre sua relação com o FIB Bank, mas negou ser o sócio oculto da empresa, que emitiu uma carta-fiança de R$ 80,7 milhões para a Precisa Medicamentos no contrato firmado pelo governo do presidente Jair Bolsonaro para a compra de 20 milhões de doses da vacina Covaxin. Amparado por um habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o depoente ficou em silêncio na maioria das perguntas feitas pelos senadores.

O FIB Bank entrou na mira da comissão em razão do contrato da Precisa com o Ministério da Saúde. Segundo as investigações da comissão, a companhia fidejussória não teria condições de arcar com os valores da garantia. De acordo com os registros, os criadores da empresa são Geraldo Rodrigues Machado e Alexandra Melo. Para os senadores, porém, os dois são laranjas. Machado é morador do município de Pão de Açúcar, no Estado do Alagoas, e não conseguiu solicitar o seguro-desemprego por estar negativado em razão dos débitos do FIB Bank. Alexandra, por sua vez, teve cancelada a sua inscrição no Bolsa Família.

Apesar da negativa, os senadores dizem ter provas de que Tolentino é, de fato, o sócio oculto do FIB Bank. Isto porque há uma procuração que deu ao advogado “poderes amplos e especiais em caráter irrevogável e irretratável” para representar a Pico do Juazeiro, umas das duas sócias da garantidora do contrato da Covaxin. Quando questionado sobre sua relação com a esta empresa, porém, o depoente ficou em silêncio. Também se negou a dizer se recebia remuneração pelos serviços prestados. Líder da bancada feminina no Senado e responsável por investigar o processo de aquisição das vacinas indianas pelo governo Bolsonaro, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) afirmou que a procuração deu ao empresário “a propriedade, a sociedade do FIB Bank”.

“Não existe, no direito brasileiro, uma procuração com poderes irreversíveis para vender e comprar e sem dar prestação de contas. Há cartórios no Brasil que não aceitam esse tipo de procuração, porque isso caracteriza e crava, de acordo com a jurisprudência, que a pessoa passa a ser proprietária. Então, a partir do momento em que a Pico do Juazeiro entregou para ele uma procuração com poderes absolutos, irreversíveis, sem precisar prestação de contas, ele está dizendo o seguinte: ‘Toma, que o filho é teu’. A Pico simplesmente, que é sócia do FIB Bank, deu para Tolentino a propriedade, a sociedade do FIB Bank”, disse a emedebista.

Em mais de um momento, Tolentino afirmou que não podia responder a algumas das perguntas dos senadores porque ficou internado no primeiro trimestre do ano por complicações da Covid-19. Ele, inclusive, patrocinou uma publicação no Twitter para impulsionar uma fotografia na qual aparece intubado. “Utilizar-se da tragédia que é objeto dessa investigação dessa CPI, não me parece adequado”, disse o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da comissão.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 14 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 14 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“....

Artigos Relacionados

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

Três meses depois da aprovação de sua convocação, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, depõe nesta terça-feira, 21, à CPI da Covid-19. A oitiva deve ser marcada por uma espécie de guerra de narrativas entre senadores governistas e membros...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *