Votação de ações contraterroristas na Câmara é adiada após pedido de vista

Postado em 14 de setembro de 2021

A sessão da comissão especial da Câmara dos Deputados que discutiu o Projeto de Lei 1595/2019, que trata de ações contraterroristas, foi tumultuada. Houve críticas da oposição e obstrução na tentativa de tirar o texto da pauta. No entanto, em uma ação tida como vitoriosa para o governo federal, por 18 votos a 10, foi rejeitado um requerimento do PSOL para a retirada da proposta. O relator, deputado Sanderson (PSL), chegou a fazer a leitura de seu substitutivo, mas um pedido coletivo de vista adiou a discussão e votação. O projeto original é do deputado Major Vitor Hugo (PSL), aproveitando um projeto de 2016, arquivado em 2019, do então deputado Jair Bolsonaro. A ideia é criar o Sistema Nacional Contraterrorista e a Política Nacional Contraterrorista, sob supervisão do gabinete de segurança institucional da presidência da República. Assim, haverá treinamento e qualificação de profissionais e a preparação de unidades militares, policiais e de inteligência para desarticular possíveis ações e grupos terroristas.

Vice-líder da oposição, o deputado Paulo Teixeira (PT), fez várias críticas ao projeto, dizendo que há o risco de se criar, no Brasil, uma espécie de KGB, a polícia secreta da extinta União Soviética. “Falaram que tem tipos penais abertos, genérico, perigoso. A autoridade terá acesso a toda informação sigilosa que precisar, de cada um de vocês. É um Big Brother, é a KGB. Ela pode não só investigar crimes, mas prevenir, que é espionagem”, aponta. O autor da proposta, deputado Major Vitor Hugo, destacou que o controle externo das ações caberá ao Congresso Nacional e que há apoio das principais entidades policiais e de inteligência.  “Não é verdade que todas essas entidades se opõem ao projeto. Conversamos com muitas delas que tinham preocupação com aspectos pontuais, que foram largamente atendidos pelo relator, aperfeiçoando o texto, tornando mais claro os três objetivos: salvar vidas, preservar a capacidade de tomar decisões e preservar o patrimônio público e privado”, afirmou. A próxima tentativa de votação está prevista para quinta-feira, 16.

*Com informações do repórter Fernando Martins

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 14 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 14 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“....

Artigos Relacionados

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

Três meses depois da aprovação de sua convocação, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, depõe nesta terça-feira, 21, à CPI da Covid-19. A oitiva deve ser marcada por uma espécie de guerra de narrativas entre senadores governistas e membros...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *