Lobista admite relação com filho e ex-esposa de Bolsonaro e não esclarece vínculo com a Precisa

Postado em 15 de setembro de 2021

Em um depoimento cheio de contradições e marcado por ameaças de prisão, o lobista da Precisa Medicamentos Marconny Albernaz de Faria confirmou sua relação próxima com o filho mais novo do presidente Jair Bolsonaro, Jair Renan, a ex-esposa do mandatário do país Ana Cristina Siqueira Valle e a advogada Karina Kufa, que representa o chefe do Executivo federal, mas negou o rótulo de intermediador de negócios. Aos senadores da CPI da Covid-19, o depoente afirmou que faz apenas “pareceres e análises de viabilidade política, técnico-política”, sem explicar o que isso significa. “Por conhecer o cenário de Brasilia, tenho essa expertise”, resumiu. Quando questionado sobre as funções que desempenhava para a Precisa e como atuava junto ao Ministério da Saúde, Faria ficou calado ou disse não se lembrar dos fatos. Ao final da oitiva, o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), incluiu Albernaz na lista de investigados pelo colegiado.

Faria admitiu que comemorou o seu aniversário em um camarote de propriedade do filho Zero Quatro em dezembro do ano passado, além de ter auxiliado Renan a abrir sua empresa, a Bolsonaro Jr Eventos e Mídia. De acordo com a sua versão, eles são amigos há aproximadamente dois anos. “Ele queria criar uma empresa de influencer, e aí eu só apresentei ele para um colega tributarista que poderia auxiliar na abertura dessa empresa”, explicou. A iniciativa foi formalizada com o apoio do advogado William Falcomer. De acordo com o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Ana Cristina Valle, ex-esposa de Bolsonaro, repassava currículos de nomes indicados por Marconny para órgãos do governo federal, como o Defensor Público da União. Um desses indicados chegou a assumir a diretoria do Instituto Evandro Chagas, no Pará, órgão vinculado à Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) da Saúde, mas foi preso sob a acusação de pagamento de propina em um esquema de aproximadamente R$ 1,6 bilhão. Em razão disso, a CPI aprovou a convocação da mãe de Jair Renan.

O depoimento de Marconny Faria foi marcado por uma série de questionamentos feitos com base nas mais de 310 mil páginas de mensagens contidas em seu celular. O lobista foi alvo da Operação Hospedeiro, deflagrada em outubro de 2020 pela Controladoria-Geral da União, pelo Ministério Público Federal (MPF) e pela Polícia Federal (PF), e seu nome aparece na trama do “passo-a-passo da fraude” a uma licitação do Ministério da Saúde para compra de testes de Covid-19, a fim de beneficiar a Precisa Medicamentos. Também estão envolvidos nos diálogos o então diretor de Logística da pasta, Roberto Ferreira Dias, o ex-diretor de um órgão da Anvisa José Ricardo Santana e Danilo Trento, diretor da Precisa.

Em um desses diálogos, Marconny Faria escreve que falaria com “um senador” para “desatar o nó” de um processo licitatório da Saúde para a compra dos testes. Questionado em mais de um momento sobre o nome do parlamentar, o lobista disse não se recordar. “Está abusando da amnésia”, ironizou o senador Jean Paul Prates (PT-RN). “O senhor é um cidadão que já subiu em carro de som, na Esplanada dos Ministérios, para gritar contra a corrupção, certo? O senhor é o mesmo cidadão que vai ter a cara de pau de chegar nessa CPI e dizer que a mensagem que o senhor mandou, documentada e periciada, na qual diz que tem contato político, indicando um senador que seria responsálvel por desatar o nó dessa contratação tão discutida aqui, e não vai dizer esse nome? Quem era o senador? São só 81. O senhor não deveria estar em cima de caminhão, porque é mais um oportunista nessa zona cinzenta de Brasília, essa interação de lobistas, autoridades que se deixam corromper e maus políticos. Está passando vergonha nacional por sua culpa, não pela minha fala. Participou de negociatas e não tem coragem de dizer o nome dos envolvidos”, disse o senador Alessandro Vieira.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 15 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 15 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“. Confira aqui o artigo.The post Publicação de Larissa Ross no Migalhas...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *