‘Wagner Rosário é prevaricador’, diz Omar Aziz sobre ministro da CGU

Postado em 15 de setembro de 2021

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), criticou a omissão do ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, no âmbito da Operação Hospedeiro, deflagrada pela CGU, pelo Ministério Público Federal (MPF) e pela Polícia Federal (PF) que atingiu, entre outras pessoas, o lobista Marconny Albernaz de Faria, que depõe nesta quarta-feira, 15, à comissão. Mensagens em posse do colegiado indicam que os órgãos souberam da “arquitetura da fraude” a uma licitação do Ministério da Saúde para compra de testes de Covid-19, mas não tomaram as devidas providências.

No cumprimento da operação, o celular de Marconny Faria foi apreendido e as mais de 310 mil páginas de diálogos obtidos no aparelho telefônico, repassados pelo MPF do Pará à CPI da Covid-19. Como a Jovem Pan mostrou, o lobista aparece em mensagens trocadas em junho de 2020 que também envolvem dirigentes da Precisa Medicamentos, o ex-diretor de um órgão ligado à Anvisa José Ricardo Santana e o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias. O conteúdo das mensagens, que foram periciadas, também apontam a relação do depoente com pessoas próximas ao presidente Jair Bolsonaro, entre eles, o seu filho mais novo, Jair Renan, sua ex-esposa Ana Cristina Valle e a advogada Karina Kufa, que defende o mandatário do país.

Para Omar Aziz e outros membros da CPI, o ministro da CGU se omitiu porque a Operação Hospedeiro atingiria o governo federal. “O senhor Wagner Rosário é um prevaricador. Tem que vir mesmo aqui [para depor]. Como ele sabia que Roberto Dias estava operando dentro do ministério e não tomou providência? Ele naõ tem que explicar as operações realizadas, mas a omissão em relação ao governo. Mas sem jogar para a torcida. Vai jogar no nosso campo. O Rosário, que tinha acesso a essas mensagens, é um prevaricador. A CGU esteve na casa do doutor Marconny, juntamente com policiais, levaram um farto material, mas não tomaram providências contra o Roberto Dias. Ele continuou lá, negociando vacina, pedindo propina”, disse Aziz. “Em plena pandemia, o ministro Rosário se omitiu. É omisso, não cumpre o papel dele. Está lá para um cargo político. Todos queremos saber porque ele foi omisso”, acrescentou.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS), responsável pela investigação do caso Covaxin, também criticou o que chamou de “defesa intransigente” do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e do contrato firmado pelo governo federal para a aquisição de 20 milhões de doses do imunizante indiano. “Em rede nacional, ao vivo, ele [Rosário] faz uma defesa intransigente do Pazuello, contrariando pareceres da CGU, da AGU, assinada pelos seus técnicos. A todo momento, a AGU atuou – pelo menos quando foi acionada – contra o contrato da Covaxin, mas Rosário faz a defesa intransigente à revelia de seus técnicos. Ele tem que explicar essa hierarquia”, disse a emedebista. “É nisso que a omissão é imperdoável. Ele deixou a arquitetura funcionar. Tinha as informações desde outubro e deixou o Roberto Ferreira Dias, que só foi exonerado depois da instalação da CPI”, acrescentou o relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL). “A operação não foi adiante porque tinha Jair Renan e Ana Cristina”, concluiu Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 15 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 15 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Publicação de Larissa Ross no Migalhas

A advogada Larissa Ross, publicou no dia 17/09/2021, o artigo no Migalhas, com o tema “A obrigatória ratificação judicial dos elementos informativos da investigação para a decisão de pronúncia“....

Artigos Relacionados

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

AO VIVO: CPI da Covid-19 ouve ministro Wagner Rosário, da CGU

Três meses depois da aprovação de sua convocação, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário, depõe nesta terça-feira, 21, à CPI da Covid-19. A oitiva deve ser marcada por uma espécie de guerra de narrativas entre senadores governistas e membros...

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *