Rosário diz que CGU foi acionada sobre caso Precisa apenas em agosto deste ano

Postado em 21 de setembro de 2021

Em sua primeira exposição na CPI da Covid-19, o ministro Wagner Rosário, da Controladoria-Geral da União (CGU), disse que o órgão comandado por ele só poderia atuar no caso envolvendo a Precisa Medicamentos que apura denúncias de irregularidades na compra de testes rápidos pelo Ministério da Saúde apenas em agosto deste ano. “Até 8 de julho de 2021, a CGU não tinha autorização para utilizar as informações sobre Marconny Albernaz e Roberto Dias e processos administrativas”, disse. O início da sessão foi marcado por um intenso bate-boca entre governistas e senadores do G7, o grupo majoritário formado por independentes e oposicionistas.

Na semana passada, o presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), chamou Wagner Rosário de “prevaricador”, com base em documentos recebidos pela CPI. De acordo com mensagens obtidas a partir da apreensão do celular de Marconny Faria, no âmbito da Operação Hospedeiro, deflagrada em 27 de outubro do ano passado, o lobista da Precisa Medicamentos participou da criação de uma “arquitetura da fraude” para fraudar uma licitação do Ministério da Saúde para a compra de testes de Covid-19. Aos senadores, o ministro da CGU disse que não cometeu o crime de prevaricação e entrou em rota de colisão com os membros do colegiado.

Em mais de um momento, chamou Aziz de “doutor”. Rosário também afirmou que a CGU soube do envolvimento da Precisa Medicamentos na negociação para a compra da vacina Covaxin em junho deste ano, a partir de “notícias que apareceram na mídia”. “Estou sabendo agora é que em junho a CGU teve conhecimento da questão da precisa pela imprensa”, disse o presidente da CPI. “Se o senhor sabia antes, ótimo”, ironizou o depoente. “Pela imprensa, sim, mas pelo órgão de controle que o senhor preside, não”, rebateu a senadora Simone Tebet (MDB-MS), que integra o grupo de trabalho que analisa o processo de compra do imunizante. “A senhora quer aguardar o término [da minha fala] para se manifestar?”, questionou Rosário.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE), suplente da comissão, criticou a postura do depoente. “Muito petulante, senhor presidente. Se a petulância for do tamanho da competência, estamos muito bem servidos. É muito petulante na forma de se dirigir aos senadores”, disse o petista. “Posso continuar? Então, vamos lá”, disparou o ministro da CGU. O vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), então, pediu que Rosário refizesse a linha do tempo exposta anteriormente. O senador Marcos Rogério (DEM-RO), governista, afirmou: “Os senhores estão desesperados, nao sei porquê. É uma tática, eu conheço essa tática”. “Por que o senador Marcos Rogério está tão tenso? Por que ele está assim hoje? Olhe nos meus olhos e diga: por que o senhor está assim hoje?”, questionou Rodrigues.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 21 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 21 de setembro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *