Relator da reforma do IR vê cobrança de Paulo Guedes por aprovação da matéria como ‘chantagem’

Postado em 4 de outubro de 2021

Em conversa com interlocutores e colegas de Casa, o relator da reforma do Imposto de Renda no Senado, Angelo Coronel (PSD-BA), tem classificado como “chantagem” a cobrança do ministro da Economia, Paulo Guedes, pela aprovação do projeto. Em entrevista à Jovem Pan, o parlamentar reforçou a intenção de entregar o seu parecer ainda este ano, mas destacou que um assunto complexo como este não pode ser analisado e votado de maneira açodada. No início da última semana, Coronel e Guedes se reuniram para tratar sobre a matéria. Na ocasião, segundo apurou a reportagem, o chefe da equipe econômica disse considerar que o texto aprovado na Câmara dos Deputados é ideal. O senador, por sua vez, prega cautela. “Você não pode fazer uma reforma sem ouvir aqueles que são os grandes responsáveis pela geração de impostos que tocam a máquina pública, sem ouvir Estados e municípios, sem ouvir o pagador de imposto. Aí não é reforma. Pelo o que tenho sentido, o mundo empresarial foi pouco ouvido”, avalia.

Paulo Guedes condiciona a criação do Auxílio Brasil, que irá substituir o Bolsa Família, à aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos precatórios e da reforma do IR. Na segunda-feira, 27, o chefe da equipe econômica disse que se o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), colocasse a proposta “na gaveta”, estaria dizendo à população brasileira que “não está preocupado” com o benefício. Na sexta-feira, 1º, em um evento no Palácio do Planalto, o ministro afirmou que as duas matérias asseguram o espaço fiscal necessário para bancar os programas sociais. “Precisamos da PEC dos Precatórios, que é o que assegura o nosso espaço para os programas sociais, e precisamos do Imposto de Renda. Ou seja, quem não pagava imposto nos últimos 25 anos, os super ricos, estão tendo que botar a mão no bolso e pagar só 15%. É claro que eles também vão ter que contribuir com o Brasil. O Congresso aprovando isso, a PEC dos Precatórios, e aprovando a reforma do IR, nós teremos garantido o Bolsa Família subindo mais de 60%, bem mais do que subiu a comida, o combustível, tudo isso. Esse programa já está garantido, praticamente, porque eu confio no Congresso, na capacidade de entrega do Congresso brasileiro”, disse.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 4 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 4 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *