Sócio da VTCLog nega pagamentos a Roberto Dias, mas não explica contratos com Ministério da Saúde

Postado em 5 de outubro de 2021

Em depoimento à CPI da Covid-19, o sócio da VTCLog, Raimundo Nonato Brasil, negou pagamentos ao ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias, mas não soube explicar os contratos vigentes firmados entre a empresa e a pasta do governo federal. Em mais de um momento, quando questionado sobre detalhes dos acordos, o depoente afirmou que o assunto era “complexo” e precisou recorrer a documentos apresentados a ele pelos advogados que o acompanhavam – uma das pessoas responsáveis por assisti-lo era a diretora-executiva da companhia, Andreia Lima. Ele também afirmou que tinha dificuldades para responder aos questionamentos por ser um homem “simples” e “humilde”. “Nos causa espécie que o senhor Raimundo Nonato não consiga responder à maioria dos questionamentos. Infelizmente, temos que ouvir os advogados respondendo por ele, sendo que ele foi o depoente designado”, disse a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS), representante da bancada feminina.

No final do mês de agosto, quando a comissão recebeu Ivanildo Gonçalves, funcionário da VTCLog, os senadores exibiram imagens que mostram o motoboy pagando boletos de Dias, exonerado do cargo depois de ter sido acusado de pedir propina para a compra de vacinas. O ex-diretor do Ministério da Saúde autorizou um aditivo de 1.800% no contrato da empresa com a pasta. Titular do colegiado, o senador Humberto Costa (PT-PE) ressaltou que o valor do reajuste indicado pela área técnica do órgão seria de R$ 1 milhão, mas a companhia defendia R$ 57 milhões. “Esses R$ 18 milhões eram um meio-termo entre o que queria o jurídico do ministério, que era 1 milhão, e a conta pela cláusula que o contrato tinha anteriormente, então ficou em 18 milhões depois que o doutor Roberto Dias propôs esse meio termo”, disse o petista. O acréscimo foi suspenso por decisão do ministro Benjamin Zymler, do Tribunal de Contas da União (TCU) – o magistrado apontou a possibilidade de que o acordo celebrado tenha configurado uma tentativa de fraude aos cofres públicos.

No início da sessão, o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou que a comissão tem “comprovações de que VTCLog pagou compromissos do senhor Roberto Dias. Estou perguntando se houve pagamentos para convencê-lo a assinar o aditivo”. “Nunca houve pagamento ao senhor Roberto Dias. Dou minha palavra de homem”, respondeu Raimundo Nonato. O depoente, porém, não soube explicar o motivo do pagamento dos boletos em favor de Roberto Ferreira Dias, mas, segundo a diretora-executiva da empresa, o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde havia feito o pagamento de um boleto da VoeTur (do mesmo grupo da VTCLog) em dinheiro vivo. De acordo com essa justificativa, o motoboy Ivanildo teria utilizado os recursos de Dias – e não os da empresa – para efetuar o pagamento na agência bancária. Os senadores reagiram à versão apresentada pelos depoentes.

“É muito difícil acreditar nessa história. Eu não posso aceitar a ideia de que a empresa que, salvos alguns problemas, está fazendo bem a logística da entrega de vacinas e insumos, não tenha uma governança e ache necessário ficar mandando o senhor Ivanildo ir ao banco para sacar dinheiro e pagar as contas dos sócios, pagar ração das fazendas dos sócios. Não há como caber na cabeça de ninguém uma ideia como essa. O que vem na nossa cabeça? Esse era um dinheiro para, de alguma forma, beneficiar políticos ou funcionários que tenham ajudado a VTCLog”, disse Humberto Costa. “A senhora [Andreia Lima] fala de ausência de relação com Roberto Dias, mas o conjunto da história é muito difícil de explicar. No dia 23 de março de 2021, a consultoria jurídica do Ministério da Saúde pediu uma série de retificações no segundo termo aditivo do contrato da VTCLog com o ministério, o que foi ignorado pelo Roberto Dias, que assinou uma nota técnica sozinho e ignorou todas as recomendações do setor jurídico”, acrescentou Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI.

O senador Renan Calheiros também apontou que o Ministério da Saúde firmou oito contratos sem licitação com a VTCLog, em acordos que se aproximam dos R$ 400 milhões e foram firmados entre 2016 e 2018, período no qual a pasta era comandada pelo deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), atual líder do governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados. “São mais de 330 milhoes sem licitação? Em dois anos?”, questionou o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM). “Tudo isso em um período sem pandemia, quando as pessoas poderia dizer ‘olha, estamos em um momento excepcional’. Não me recordo de um momento de excepcionalidade em 2018”, seguiu Aziz. A comissão aprovou um requerimento para que a Saúde justifique por quais motivos a pasta não realizou os processos licitatórios. “Nosso contrato com o Ministério da Saúde é sobre demanda. Se tiver demanda, [a empresa] fatura. Se não tiver demanda, não fatura. Todo serviço prestado é sobre demanda”, respondeu Raimundo Nonato.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 5 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 5 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *