Texto de projeto que flexibiliza lei de improbidade administrativa é aprovado na Câmara

Postado em 5 de outubro de 2021

A Câmara dos Deputados aprovou o texto principal de projeto de lei que flexibiliza o entendimento sobre o que pode ser considerado improbidade administrativa e crime contra a administração pública. Agora, os congressistas votarão sobre os destaques do projeto, que ainda podem alterar o mérito da lei. O texto começou a tramitar na Câmara, foi para o Senado e sofreu alterações, o que o levou de volta para ser apreciado pelos deputados. A maioria das mudanças foi aprovada pela Câmara e, após a votação dos destaques, irá para a sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Um dos pontos prevê que a responsabilização do agente governamental só ocorra se houver comprovação de dolo, ou seja, intenção de lesar o poder público. Hoje, há punição por ato culposo, quando não há intenção.

O relator do projeto, Carlos Zarattini (PT-SP), negou que a intenção seja de enfraquecer a lei. “Eu sei que muitas vezes se tenta travar um jogo político, afirmando que esse projeto tenta reduzir o combate à corrupção, mas o combate à corrupção, a malversação dos fundos públicos, o dano ao patrimônio público, o enriquecimento ilícito e comportamentos claramente ímprobos continuaram sendo punidos por essa lei de improbidade”, declarou, em plenário. A lei foi criticada por diversas entidades, como a Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), que afirmou em nota técnica que o projeto prejudica a ação do Ministério Público e que seria necessário um esforço hercúleo ou desproporcional para levar adiante uma ação de improbidade administrativa.

A lei tem diversos pontos polêmicos além da necessidade de comprovação de dolo. O projeto impede a punição do gestor que transferir recurso a entidade privada, em razão da prestação de serviços na área de saúde, sem a prévia celebração de contrato. Outro afirma que o agente só poderá perder o cargo se ele for da mesma natureza que tinha quando a infração ocorreu (ou seja, um deputado não poderá perder o cargo por algo que cometeu quando era vereador, ou um governador por algo que fez quando estava no Senado, por exemplo). O prazo de prescrição de crimes de improbidade passará a contar a partir de quando o ato foi cometido, e não do fim do mandato, como é atualmente. Para os partidos políticos e suas fundações, as punições serão estipuladas pela Lei dos Partidos Políticos, e não pela Lei de Improbidade.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 5 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 5 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *