André Mendonça não terá dificuldade para ser aprovado em sabatina, diz Bolsonaro

Postado em 6 de outubro de 2021

Em um evento na última terça-feira, 05, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse acreditar que não haverá dificuldade na aprovação do nome de André Mendonça pelo Senado Federal para a vaga aberta no Supremo Tribunal Federal (STF), após a saída do ministro Marco Aurélio. O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), o senador Davi Alcolumbre, tem se recusado a marcar a sabatina do indicado, apontado para a vaga por Bolsonaro em 13 de julho, há quase três meses.

Bolsonaro teria consultado lideranças evangélicas da possibilidade dele indicar um outro nome, mas ouviu dos representantes religiosos de que Mendonça continua sendo o favorito. Durante o evento de ontem, o presidente voltou a reafirmar sua confiança no ex-ministro da Justiça. “Apesar dele ser baixinho, pouco baixo, cabeça um pouco pequena, ele tem uma bagagem cultural imensa, sabe tudo sobre Direito e é terrivelmente evangélico. A gente espera que ele seja aprovado. Eu não indico para o Supremo, eu indico para o Senado. Há uma sabatina”, disse Bolsonaro. Na mesma ocasião, o presidente voltou a afirmar que pediu apenas duas coisas ao futuro ministro do STF: “primeiro que toda semana quando ele iniciar seu trabalho, que ele peça dois minutos e faça uma oração dentro do Supremo. E outra que veio do coração, nós sabemos que quem esquece o seu passado está condenado a não ter futuro, ele é uma pessoa humilde, e falei para ele que quero, todo mês, tomar com ele uma tubaína”.

Jair Bolsonaro ainda defendeu que os três poderem sigam na mesma direção para garantir que o país ande para a frente. André Mendonça participou ontem de um encontro com evangélicos e admitiu que se surpreendeu com a indicação de Bolsonaro. “Aos 16 anos, nem faculdade de Direito eu queria fazer, porque eu queria ir para o seminário. Eu fui para cumprir uma determinação do meu pai: ‘primeiro faça a sua faculdade’. Eu nem concurso público iria fazer. Sai da faculdade querendo ir para o seminário. Meu pai falecido e minha mãe disse que primeiro eu teria que ter um emprego. Eu entro na AGU em fevereiro de 2000 e no mesmo mês entrei no seminário”, comentou.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 6 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 6 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *