Com três votos contrários, STF retoma julgamento sobre proibição de showmícios nesta quinta

Postado em 7 de outubro de 2021

Dos dez ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), três já votaram nesta quarta-feira, 6, para proibir a realização de showmícios gratuitos nas campanhas eleitorais de 2022. Quando a questão envolve eventos musicais para arrecadação de recursos, o placar muda um pouco. Dos três ministros que já se posicionaram, dois são favoráveis aos eventos. O PT, PSOL, e PSB entraram em recursos questionando a regra que proíbe a participação de artistas em comícios. As legendas querem a liberação dos artistas quando não há o pagamento de cachê e justificam que a proibição fere a liberdade de expressão. O relator da matéria, ministro Dias Toffoli, rebateu a alegação e defende a proibição como forma de evitar distorções nas campanhas. Ele também defende a proibição das apresentações pagas, mas avalia que, quando não houver cachê, o show poderia ser classificado como doação de campanha. “Apenas campanhas que contavam com recursos enormes conseguiam pagar os artistas mais populares e que, consequentemente, tinham maior apelo entre os eleitores. Assim a vedação aos showmícios buscou evitar o abuso do poder econômico no âmbito das eleições e resguardar a paridade entre os candidatos”, afirmou.

O ministro Alexandre de Moraes acompanhou integralmente o voto de Toffoli. Segundo ele, depois que acabaram os showmícios acabaram também as grandes reuniões dos partidos, o que gerava desigualdades. De acordo com ministro, os shows chamam votos e eleitores indecisos. Porém, ele avalia que não há problemas com apresentações onde o objetivo seja arrecadar recursos para campanhas. “Temos que achar um meio termo de financiamento de campanhas. Esses eventos de arrecadação são poucos aqueles que vão realmente e quem vai é porque apoia mesmo, exatamente essa é a diferença da primeira impugnação. Ninguém que foi a um jantar de arrecadação de campanha está em dúvida em quem vai votar”, ressaltou.

Para o ministro Kássio Nunes Marques, no entanto, todas as apresentações, sejam gratuitas ou para arrecadar recursos, prejudicam o processo eleitoral, desequilibrando a disputa entre os candidatos. O ministro Gilmar Mendes ainda não votou, mas levantou um questionamento em torno da liberação de eventos de arrecadação. Ele lembrou, por exemplo, que o valor máximo de uma doação está fixada em R$ 40 mil e apontou que as apresentações de bandas ou artistas costumam superar o valor. O julgamento do tema vai ser retomado na sessão desta quinta-feira, 7, onde sete ministros devem analisar e votar sobre a proibição.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 7 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 7 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *