‘Conitec mudou de nome e virou conivente’, ironiza Otto Alencar

Postado em 7 de outubro de 2021

Diante do relato emocionado do advogado Tadeu Frederico Andrade, cliente da Prevent Senior, e da decisão da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) de não votar o parecer do órgão que atesta a ineficácia de medicamentos do chamado “kit-Covid”, o senador Otto Alencar (PSD-BA), que é médico, ironizou a postura do colegiado. “A Conitec mudou de nome. Virou conivente”, disse. Além de Andrade, a CPI da Covid-19 ouve, nesta quinta-feira, 7, o médico Walter Correa de Souza Neto, ex-médico da operadora de saúde.

“Azitromicina e hidroxicloroquina não mostraram benefício clínico e, portanto, não devem ser utilizados no tratamento ambulatorial de pacientes com suspeita ou diagnóstico de Covid-19”, diz um trecho do relatório da Conitec. Previsto para ser votado na reunião desta quinta, o item foi retirado de pauta. De acordo com os membros da CPI, houve interferência política do presidente Jair Bolsonaro. “O senhor presidente da República se reuniu anteontem com Pazuello, com o general Ramos e mandou a ordem para o Marcelo Queiroga. ‘Tira da pauta, não vota’. É uma intervenção. Eu não tenho conhecimento de uma intervenção tão abusrda em uma decisão técnica do âmbito do SUS e do Ministério da Saúde quanto esta”, protestou o senador Randolfe Rodrigues Rodrigues (Rede-AP). Como a Jovem Pan mostrou, a decisão da Conitec foi o estopim para a CPI decidir convocar o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, a depor pela terceira vez.

Em sua fala inicial, Tadeu Frederico de Andrade deu detalhes do período em que esteve internado em um hospital da Prevent Senior. De acordo com o relato, os médicos da empresa tentaram convencer sua família a tirá-lo da UTI e enviá-lo aos cuidados paliativos. À época, ele estava intubado. Uma das profissionais da operadora disse a suas filhas que, nesta condição, Tadeu “teria maior dignidade e conforto, e meu óbito ocorreria em poucos dias”. Os equipamentos que o mantinham vivo seriam desligados. Em razão da negativa da família, as duas filhas do paciente foram chamadas para uma reunião com três profissionais do hospital.

Segundo a testemunha, nesta reunião os médicos apresentaram, como se fosse de Tadeu, o prontuário de uma pessoa que possuía comorbidades que ele nunca teve. “Nessa reunião, eles tentam convencer minha família de que, pelo prontuário na mão, eu tinha marcapasso, eu tinha sérias comorbidades arteriais e que eu tinha uma idade muito avançada. Esse prontuário não era meu, era de uma senhora de 75 anos. Eu não tenho marcapasso. A única coisa que tenho é pressão alta. Sempre tive”, disse. Com a voz embargada, Andrade acrescentou que ele só está vivo porque sua família se insurgiu contra a Prevent Senior.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: .
Data de Publicação: 7 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *