Bolsonaro volta a falar sobre o veto de absorvente para mulheres vulneráveis

Postado em 12 de outubro de 2021

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a comentar o veto sobre a distribuição gratuita de absorventes para mulheres em situação de pobreza. Ele justificou a medida afirmando que não tem verba para custear o fornecimento do item de higiene e, caso o Congresso derrube o veto, que ele teria que tirar dinheiro de outro lugar. “Ela bota distribuição gratuita. Não é gratuita. Não é a cegonha que vai levar o negócio pelo Brasil todo. Alguém tem que levar, tem que ter uma logística para isso. O veto é em função disso, como vetei no passado a questão da internet nas escolas, que dava mais de R$ 3 bilhões por ano. Dinheiro de onde? Agora se o Congresso derrubar o veto do absorvente eu vou tirar dinheiro da saúde e da educação. Tem que tirar de alguma lugar”, disse o presidente.

A medida foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) na última quinta-feira e gerou grandes debates acerca do tema. O presidente alega que a despesa custará aos cofres públicos mais de 100 milhões de reais e que o texto não estabelece uma fonte de pagamento e, por isso, ele poderia cometer irresponsabilidade fiscal. A divergência sobre o tema dividiu parlamentares. Pelas redes sociais, a deputada federal Carol de Toni (PSL-SC) se posicionou favorável ao veto e questionou o financiamento da medida afirmando: “quais impostos vão aumentar pra bancar essa proposta insensata e rejeitada em quase todos os países do mundo? Os impostos sobre os combustíveis? Proponho o seguinte: criar um imposto que apenas os defensores dessa ideia tenham que pagar”. Já a senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) criticou a ação do presidente e disse que “ao vetar a distribuição de absorventes às brasileiras mais carentes, Bolsonaro expõe sua falta de empatia e compromisso com as mulheres. Meninas pobres faltam às aulas ou adoecem usando folhas de papel no lugar de absorventes. Mas isso não importa para o presidente sem visão de saúde pública”. O termo pobreza menstrual ganhou destaque nos últimos dias.

Para o Unicef, esse cenário está ligado à falta de recursos, infraestrutura e conhecimento sobre a menstruação. De acordo com a Organização das Nações Unidas, cerca de 25% das meninas entre 12 a 19 anos deixaram de ir à escola alguma vez por não ter absorventes. Muitas mulheres na linha da vulnerabilidade improvisam e usam papéis e miolos de pão como absorventes. No entanto, essas substituições podem causar infecções. A ginecologista Anne Caroline Andrade afirma que a questão sobre pobreza menstrual é um grande problema social. “A gente está englobando um problema muito maior, um problema social mesmo, de saneamento básico, de estrutura, de poder oferecer para essas mulheres o mínimo. Só que as mulheres tem um mínimo a mais do que o homem, elas tem que se preocupar com a menstruação. Então, realmente, isso só torna a desigualdade um pouco maior nessa classe vulnerável. A gente não pode falar que um homem e uma mulher, em situação de pobreza, são iguais. A mulher menstrua e ainda tem que contar com o plus de menstruar e ter um gasto que ela não queria ter”, afirma Andrade. A médica afirma ainda que o poder público precisa reduzir os impostos sobre o absorvente e promover mais campanhas explicativas sobre a menstruação para as adolescentes.

*Com informações da repórter Camila Yunes

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 12 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 12 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *