Nova lei de improbidade deve acabar com o ‘apagão das canetas’ no setor público

Postado em 12 de outubro de 2021

A nova lei de Improbidade Administrativa segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), após votações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. O projeto gerou grande polêmica por flexibilizar a legislação, num país marcado pela corrupção. Ao mesmo tempo, a judicialização da política tem gerado o chamado “apagão das canetas”, expressão que se refere ao medo dos gestores públicos em tomar decisões, como explica a advogada Marilene Matos. “Na iniciativa privada, quando uma pessoa assina a diretoria de uma empresa ou é um gerente é preciso que ela tome decisões. Na esfera pública fica complicado. Porque se o gestor assume certo risco e não toma uma decisão ocorre uma paralisia, mas se ele toma a decisão, do jeito que estava a lei de improbidade, ele responde mesmo sem ter a intenção de provocar atos corruptivos”, diz Marilene.

A advogada defende a mudança na legislação. A nova lei coloca que o agente público será responsabilizado por improbidade quando for comprovado o dolo, a intenção, e não por imprudência ou negligência. “A questão não é se o gestor vai responder por uma ação de improbidade é quando ele vai responder. É praticamente impossível um prefeito, um governador, um secretário sair da gestão e não responder ação de improbidade. E vai sair caro. Ele pode ter bens bloqueados antes mesmo do início da ação, conforme a atual lei de improbidade”, pontua. A lei anterior era de 1992. Agora uma ação será cabível por dano efetivo ao patrimônio público. Antes, os agentes eram punidos por omissões, atos dolosos e culposos, com ou sem intenção de cometer crime. Opositores do projeto no Congresso entendem que o texto dificulta a condenação e poderá impedir o combate das irregularidades dos gestores públicos.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 12 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 12 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *