Deputados do União Brasil apostam que partido não terá candidato à Presidência em 2022

Postado em 13 de outubro de 2021

Deputados do União Brasil, que será criado com a fusão do DEM com o PSL, apostam que a sigla não terá candidato à Presidência da República em 2022. A cúpula da nova legenda defende que seja apresentado um nome para se contrapor à polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que lideram as pesquisas de intenção de voto, mas parlamentares acreditam que a prioridade será dada à eleição de governadores e à formação da maior bancada do Congresso Nacional. Atualmente, segundo projeções internas, o partido deverá ter de 10 a 12 postulantes aos governos estaduais.

À Jovem Pan, um deputado do DEM, presidente do diretório da sigla em um dos cinco maiores colégios eleitorais do país, disse que, embora o União Brasil queira se colocar como protagonista na disputa pelo Palácio do Planalto, a nova legenda terá como foco o crescimento do número de parlamentares. “Na hora H, vão compreender que este é o melhor caminho a ser seguido. Por que não teremos um presidenciável em 2022? Para não comprometer o Fundo Eleitoral com uma campanha sem chances reais de vitória. É por uma questão de administração dos recursos. Tenho convicção de que a eleição vai polarizar entre Lula e Bolsonaro”, avalia.

A um ano da eleição, o partido estuda quatro possibilidades para a sucessão presidencial: o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM), o apresentador José Luiz Datena, da TV Bandeirantes, e o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro. O ex-juiz da Lava Jato também é cortejado pelo Podemos e tem dito a interlocutores que definirá seu futuro na política em novembro – ele poderá romper amigavelmente seu contrato com a consultoria norte-americana Alvarez & Marsal, onde trabalha, a partir do dia 31 de outubro. Na última pesquisa Datafolha, divulgada no início da segunda quinzena de setembro, Pacheco aparece com 1% das intenções de voto, Mandetta oscila entre 2% e 3% e Datena alcança 4%. O nome de Moro não foi incluído no levantamento.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 13 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 13 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *