Escolha do comando do União Brasil no Rio de Janeiro deve causar debandada de deputados

Postado em 14 de outubro de 2021

O União Brasil, partido que nasce da fusão entre DEM e PSL, nasce rachado e com alas distintas em Estados importantes para o xadrez político. Essa divisão fica evidenciada no Rio de Janeiro, onde a escolha do comando da nova legenda deve causar uma debandada de deputados. Parlamentares das duas siglas planejam uma desfiliação em massa caso a presidência do diretório estadual seja repassada ao prefeito de Belford Roxo, Wagner dos Santos Carneio, o Waguinho. A publicação na qual o gestor da cidade da Baixada Fluminense afirma que foi escolhido como presidente da Executiva do Rio (veja abaixo) caiu como uma bomba na ala do Democratas ligada ao deputado federal Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), que comanda a sigla no Estado.

“Se isso se confirmar [Waguinho na presidência do União Brasil no Rio], saio do partido no mesmo segundo. Não tenho condição de andar com o grupo do Waguinho. Nosso estilo de fazer política é totalmente antagônico”, disse Sóstenes à Jovem Pan. O deputado, ligado ao pastor Silas Malafaia, pondera que ainda não há definição oficial sobre o comando dos diretórios. “Quando o Waguinho postou que seria o presidente estadual, mandei o print para o Rueda [vice-presidente do PSL] e para o ACM Neto [presidente nacional do DEM]. Eles me disseram que não está definido em nenhum lugar e isso foi reiterado na convenção”, acrescenta. O parlamentar do DEM afirma que o prefeito de Belford Roxo quer trazer para o novo partido “pessoas que não têm ficha limpa”. “Quando começo a ouvir alguns nomes que supostamente viriam com ele, fico receoso”, avalia.

Sóstenes Cavalcante não sairia sozinho. Ele deve ser acompanhado pelos deputados Juninho do Pneu, José Nalim e Pedro Paulo, todos do DEM, além de Felício Laterça, Lourival Gomes e Gurgel, do PSL. Além disso, é dada como certa a saída dos bolsonaristas do partido pelo qual o presidente Jair Bolsonaro foi eleito em 2018. Os deputados Carlos Jordy (PSL-RJ), Chris Tonietto (PSL-RJ), Hélio Lopes (PSL-RJ), Márcio Labre (PSL-RJ) e Major Fabiana (PSL-RJ) seguirão o chefe do Executivo federal no partido que ele se filiar. “Do lado de cá, a gente simplesmente acompanha e espera a decisão do presidente Bolsonaro. Assim que ele tiver um partido, vamos com ele”, afirmou Jordy à reportagem.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 14 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 14 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *