Lira fará ‘caça às bruxas’ após derrota na votação de PEC que muda conselho do MP, diz aliado

Postado em 21 de outubro de 2021

Minutos depois de a Câmara dos Deputados rejeitar a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que altera a composição do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), disse a jornalistas que “o jogo só termina quando acaba”, sinalizando que busca uma alternativa para aprovar o texto. Mas não só. Aliados do parlamentar alagoano garantem que ele não digeriu a derrota e prepara um contra-ataque. “Se eu conheço bem o estilo do Arthur, ele vai fazer um caça às bruxas e vai partir para cim de quem prometeu votar a favor e não votou”, disse à Jovem Pan uma pessoa próxima ao chefe da Câmara.

Líderes partidários afirmam que a votação desta quarta-feira, 20, representou a mais dura derrota do presidente da Câmara dos Deputados. Um influente deputado do Centrão ouvido pela reportagem diz que Lira só decidiu votar a PEC porque tinha conviccção de que tinha os 308 votos necessários – a votação foi adiada três vezes. Foram 297 votos a favor e 182 contra. “Foi uma derrota porque essa é uma pauta só dele e do PT. Ninguém mais estabelece essa pauta como prioritária. Os deputados não pediram para votar isso. Ele [Lira] botou na cabeça que ia votar, foi pra cima porque tomou a PEC como dele e tinha certeza de que a matéria seria aprovada”, avaliou o parlamentar, em caráter reservado.

À Jovem Pan, um deputado do PP, mesmo partido de Lira, resumiu o que os “parlamentares traidores” podem esperar do presidente da Câmara nos próximos dias. “O Arthur é matreiro e tem outra carta na manga. Ele vai para cima dos líderes, vai apertar os deputados que tem emendas”, disse este correligionário. “Agora ele tem o mapa da traição e isso não vai passar batido”, acrescentou. Como os deputados rejeitaram o substitutivo de autoria do deputado Paulo Magalhães (PSD-BA), a Casa só pode votar o texto principal. Há, porém, um problema: a versão original da proposta enfrenta ainda mais resistência de parlamentares e de membros do Ministério Público. Após a rejeição da PEC, o vice da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), ponderou que era hora de “esperar baixar a poeira”. Procurado pela reportagem, ele admitiu que não há clima para a aprovação da matéria. “A medida mais prudente é não mexer mais nisso. Se o presidente [Arthur Lira] perguntar minha opinião, é isso o que direi a ele”, afirmou.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 21 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: André Siqueira.
Data de Publicação: 21 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Publicações Relacionadas

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *