Rodrigo Pacheco admite mudança no teto de gastos: ‘Temos a obrigação de dar solução ao programa social’

Postado em 21 de outubro de 2021

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), admitiu nesta quinta, 21, que deve apoiar a mudança na regra do teto de gastos que o governo federal pretende realizar, como forma de permitir a implantação do Auxílio Brasil, programa de transferência de renda para a parcela mais pobre da população em substituição ao Bolsa-Família. A proposta do governo é que a fórmula de correção dos gastos permitidos ao governo passe a contar a inflação de janeiro a dezembro do ano anterior, e não mais o período entre julho de dois anos antes e junho do ano anterior. Dessa forma, mais R$ 83,6 bilhões poderiam ser gastos em 2022. “O teto continua a existir, a responsabilidade fiscal também, no entanto, há uma redefinição da regra relacionada à correção desse teto de gastos públicos. Essa é uma avaliação que tem que ser feita à luz de princípios constitucionais. Pode ser até que essa solução, e eu neste momento não posso afirmar categoricamente, de parametrização do começo até o fim do ano possa ser até mais justa. Nós temos a obrigação de dar solução de um jeito ou de outro à questão do programa social. É preciso socorrer cerca de 17 milhões de famílias que precisam ter esse socorro por meio de programa social que seja consistente e possa minimamente atualizar a capacidade de compra, especialmente da cesta básica, já que se elevaram muito os preços”, disse Pacheco.

A proposta foi discutida com o ministro Paulo Guedes na quarta-feira, 20. Nesta quinta, Pacheco recebeu os ministros Ciro Nogueira (Casa Civil) e João Roma (Cidadania), ao lado do relator da PEC dos precatórios na Câmara, Hugo Motta (Republicanos-PB).  Ainda nesta quinta, Pacheco se reuniu com governadores contrários ao projeto que altera as regras do ICMS sobre combustíveis e afirmou que a Petrobras precisa “tomar parte” na alta dos preços dos produtos. O senador se comprometeu a mediar uma reunião com representantes da empresa, chefes dos poderes executivos locais e secretários estaduais de Fazenda para discutir o assunto. “Eu acho até muito legítimo, já que estamos ouvindo governadores, seus secretários de Fazenda, que possamos ouvir a Petrobras, que muitos têm dito, inclusive eu, que tem que tomar parte desse problema”, afirmou Pacheco.

Fonte do artigo:

Política – Jovem Pan

Leia o artigo original clicando no link abaixo:

Read More

Trechos extraídos ou texto replicado na íntegra do site abaixo.
Autoria do texto: Jovem Pan.
Data de Publicação: 21 de outubro de 2021.
Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

Aviso Legal

A COJAE acredita que a propagação de informações relevantes e responsáveis pode ajudar a sociedade. Por isso, mobilizou sua equipe editorial em prol de confrontar as diferentes visões a respeito dos mais variados assuntos, a fim de difundir somente informações que acredita serem baseadas em fatos.
Os conteúdos aqui ora publicados estão livres do alarmismo, sensacionalismo e interesse político-ideológico amplamente divulgado pelas grandes mídias, incluindo canais de televisão e gigantes redes sociais que manipulam infielmente os dados.

Explore Seus Tópicos Favoritos

Leia mais artigos publicados em nosso blog navegando pelas categorias abaixo. Clique aqui para acessar nosso blog.

Notícias
Direito
Judiciário
Ética
Arbitragem
Editorial
Ideologia
Justiça Federal
Teologia
Todas as Categorias

Selecionadas do editorial

Artigos Relacionados

0 Comentários

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *